Home » , , , » Mulher Maravilha

Mulher Maravilha


Mulher Maravilha (Wonder Woman, 2017) é, finalmente, um longa à altura de uma super-heroína do porte icônico da personagem. Focado na origem da guerreira, mostra a gênesis da defensora da humanidade de forma bela e poderosa - desde a obstinação por fazer o que precisava ser feito até o amadurecimento que só chega com a tragédia, o longa se preocupa em mostrar do que Diana é feita.

A fofíssima Lilly Aspel interpreta a jovem Diana
Diana (Lilly Aspel, fofíssima) é a única criança de Themyscira, a Ilha Paraíso. Filha da rainha Hipólita (Connie Nielsen), sonha em ser guerreira como a ia Antíope (Robin Wright, excelente). Querendo proteger a filha, a rainha a proíbe de ser treinada, mas é convencida pela irmã de que essa é a melhor maneira de protegê-la. A contragosto, a rainha cede. Conta à pequena princesa a história de seu povo e seu destino de proteger a humanidade, sendo que toda amazona deveria estar pronta para combater Ares - o deus da Guerra - quando ele estivesse pronto para voltar. Porém, nem todos os segredos são contados à menina.

Antíope (Wright), a poderosa general das amazonas: guerreiras incríveis
Diana cresce (e agora é vivida por Gal Gadot, como todo mundo já sabe) e torna-se uma excelente e poderosa guerreira, porém ainda não é páreo para sua tia. Ao descobrir um poder que ainda não sabe definir, a guerra encontra as amazonas. Diana se vê resgatando Steve Trevor (Chris Pine, em ótima atuação) de ser afogado em seu avião destroçado. Em seu encalço, um grupo de alemães que o perseguia também cruzam a barreira mágica entre a ilha e o mundo real. Logo as amazonas reagem à invasão, e, embora suas impressionantes e poderosas técnicas de luta sejam muito superiores às dos homens, eles têm algo que elas desconhecem: armas de fogo. A dura realidade da guerra mostra as garras injustas, e Diana agora precisa escolher: obedecer às ordens da mãe e rainha para ficar na ilha e esperar pela volta de Ares ou desobedecê-la e ajudar Trevor a dar fim a uma guerra que já matou milhares de inocentes. Parece óbvia a escolha dela, não é?

Trevor (Pine) em poder das amazonas: seu testemunho vai levar Diana (Gadot) para a guerra
Visualmente muito bonito - em várias sequências, parece que os quadrinhos ganharam vida e foram parar na telona -, com destaque para a produção de arte e figurino, e baseado em um roteiro razoável, a diretora Patty Jenkings (de Monster - Desejo Assassino) teve muito material para trabalhar. Nas entrelinhas, ponteado com muito bom humor e naturalidade, o discurso feminista discorre pelas ações e escolhas de Diana - e isso é um tiro certeiro. As partes de drama são bem entremeadas com as de ação, com peso e importância equilibrados, tornando a heroína ainda mais poderosa nas consequências de suas decisões. Mas, como "não existe um bom sem um porém", vou ser chata e criticar dois detalhes que me incomodaram muito - mas, que fique claro, não tira o mérito do filme.

Essa cena em slow motion é linda. Mas o exagero de efeitos nem sempre fica bacana
Acho que os estúdios um dia vão descobrir que mulheres também curtem cena de ação e luta intensa, especialmente se quem está "mandando bem" é uma mulher. Slow motion em cena de luta é até interessante (como as Wachowski mostraram para o público em Matrix), mas em excesso é um porre (como elas mesmo provaram na segunda temporada de Sense8). Não tem uma cena de luta nesse longa que não tenha sido interrompida por uma ação em câmera lenta; e nem sempre era para valorizar um golpe impactante. Todo mundo sabe que a Gal Gadot é linda e estrela do filme, não precisa ficar dando tanto detalhe no rosto dela no meio das explosões. Ou seja, nem só de homens que vão babar com a beleza da heroína vive a audiência. Grata pela compreensão.
 
Steve Trevor (Pine): mais do que só o par romântico da protagonista
Outro ponto foi o final ligeiramente melodramático. Engraçado pensar que não houve nenhum escorregão brega no relacionamento Diana e Steve durante todo o filme (aliás, uma salva de palmas para isso!), mas no momento mais decisivo, aos 48 do segundo tempo, estava lá: a breguice do amor romântico, a escolha mais importante movida pelo amor. Diana já tinha um senso de dever muito poderoso - tanto que a fez sair da ilha onde estava protegida mesmo contra as ordens da mãe - então achei que forçaram uma barra aqui, no ponto-chave do roteiro. Mas ok, vamos perdoar porque, apesar desses deslizes, não há demérito: o filme foi maravilhoso, com perdão do trocadilho.

Não é fácil engolir que ninguém reparou nessa espada, mas o caminho parece promissor
Com ótima fotografia, sombria na medida certa (sim, isso foi uma alfinetada nos antecessores Batman vs. Superman e Esquadrão Suicida), uma trama interessante e um elenco afinado, Mulher Maravilha tem tudo para ser um sucesso de público. E, principalmente, provou que a DC/Warner estão aprendendo com seus erros e aproveitando o momento para aparar arestas. Ainda há muito o que se lapidar, mas os augúrios são promissores. Se continuarem no caminho aberto pela amazona (olha só, uma metalinguagem rolando aqui?), o resultado só pode ser benéfico. Agora já posso dizer com ansiedade: que venha o filme da Liga da Justiça!

2 comentários:

Marie disse...

Fazia muita falta uma mulher herói e protagonista. Adorei!

Ana Costa disse...

Considero que todos os aspectos do filme estiveram muitos cuidados. Adorei Mulher Maravilha, é algo muito diferente ao que estávamos acostumados a ver. Foi uma surpresa pra mim, já que foi uma historia muito criativa que usou elementos innovadores e um elenco super bom. É uma história sobre sacrifício, empoderamento feminino e um sutil lembrete para nós, humanos, do que somos capazes de fazer uns com os outros. É um dos melhores Gal Gadot filmes gostaría que vocês vissem pelos os seus próprios olhos, se ainda não viram, deveriam e se já viram, revivam a emoção que sentiram. Eu gosto da forma em que ela esta contada, faz a historia muito mais interessante. Gal Gadot é ótima porque mostrou com perfeição a jornada de uma deusa, uma guerreira e uma mulher. Ela e Chris Pine são uma mistura perfeita. Eu recomendo!

Meses temáticos!

Confira nosso catálogo de críticas e curiosidades completo, distribuído em listas e meses temáticos.

Lista de 2015 Lista de 2010
Meses temáticos
2014 2013 2012 2011
Trilogia Millenium Ficção-cientifica Pioneiros De Volta para o Futuro
Meryl Streep e o Oscar Broadway Brasileiros no Oscar Liz Taylor
Fantasias dos anos 80 Realeza Tarantino Filmes de "mulherzinha"
Pé na estrada Scorcese Chaplin Stephen King
Mês Mutante Off-Disney Filmes de guerra Noivas
Mês do Futebol Mês do Terror Agatha Christie Genny Kelly
Mês Depp+Burton Shakespeare HQs Harry Potter
Cinebiografias Pequenos Notáveis Divas Almodovar
Robin Williams Mês do Rock Woody Allen Remakes
Mês das Bruxas Alfred Hitchcock Rei Arthur Vampiros
Humor Britânico John Wayne John Hughes Elvis
Mês O Hobbit Contos de Fadas Apocalipse O Senhor dos Anéis

Especial do momento

Mulan

As definições do projeto para formar cinéfilas melhores foram atualizadas

Agora nos dedicamos a um filme por mês, sem deixar de lado as críticas dos lançamentos no cinema. Venha com a gente descobrir curiosidades dos nossos especiais e se atualizar das estreias nas telonas!

Receba por e-mail

Gêneros

Resenhas (771) Drama (235) Lançamentos (136) Ficção científica (109) Aventura (102) Comédia (76) Musical (52) Terror (47) Ação (46) Fantasia (36) Animação (29) Comédia romântica (25) Épico (24) Faroeste (22) Biografia (21) Thriller (7)

Arquivo do blog

Google+ Followers

Seja parceiro

Descubra como!
 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates