3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

sábado, 3 de julho de 2010

Curiosidades vertiginosas



Deteriorados pelo tempo e pela má conservação, os negativos originais do filme, considerado a maior obra-prima do mestre Hitchcock e um dos maiores filmes de todos os tempos, foram restaurados completamente em 1996, a um custo de um milhão de dólares, por Robert Harris e James Katzos, os mesmos laboratoristas que recuperaram os originais de Lawrence da Arábia (Lawrence of Arabia, que a gente já comentou aqui no blog) e Minha bela dama (My fair lady).


Hitchcock queria a atriz Vera Miles para o papel de "Madeleine", mas ela ficou grávida e não pode atuar no filme. O diretor aparece no filme aos onze minutos, vestindo terno cinza e caminhando no estaleiro.

Barbara Bel Geddes, que interpretou a ex-namorada do detetive, tornou-se mundialmente famosa e conhecida do público não-cinéfilo muitos anos depois, ao interpretar a matriarca Eleanor Ewin, na popular série de televisão Dallas, nos anos 70 e 80.

Uma das coisas mais legais do filme é o efeito de câmera que dá a sensação de vertigem (título original do filme: vertigo = vertigem). O filme criou um efeito pioneiro no cinema que, mais tarde, seria usado largamente. O efeito foi tão original que um de seus nomes é Vertigo effect. O efeito Vertigo se propõe a destorcer o cenário, aproximando o que está em primeiro plano e aumentando o que está em segundo plano. Também é conhecido por outros nomes: dolly out, Hitchcock effect.


A figurinista Edith Head e Alfred Hitchcock tinham por intenção dar um visual não-convencional Madeline Elster, personagem de Kim Novak. Deste modo, escolheram uma roupa cinza para Madeline, por achar que seria estranho ver uma mulher loira totalmente vestida desta cor.

O filme foi baseado no livro "D'Entre les Morts", da dupla Pierre Boileau e Thomas Narcejac. Este foi escrito especialmente para Hitchcock após os autores tomarem conhecimento de que o diretor tentara comprar os direitos de adaptação para o cinema de seu livro anterior, "Diabolique".

Apesar dos créditos indicarem o roteiro como de autoria de Alec Coppel e Samuel A. Taylor, Coppel não escreveu uma palavra sequer da versão final do roteiro. Seu nome apenas apareceu nos créditos por questões contratuais, já que Taylor desenvolveu o roteiro final baseando-se apenas nos relatos de Alfred Hitchcock, sem ter lido nem o script original nem o livro em que a história foi baseada.


Um Corpo Que Cai esteve inacessível ao público em geral durante décadas. Isto porque Hitchcock comprou de volta os direitos de 5 de seus filmes e os deixou de legado para sua filha. Estes filmes receberam o apelido de "os 5 filmes perdidos de Hitchcock" e apenas estiveram novamente ao alcance do público em 1984, quando foram relançados nos cinemas, com uma distância de quase 30 anos desde seu primeiro lançamento. Os demais filmes do pacote eram Festim Diabólico (1948), Janela Indiscreta (1954), O Homem Que Sabia Demais (1956) e O Terceiro Tiro (1955).

Na época o filme foi recebido pela crítica com reservas. Hoje , porém, é considerado a obra-prima de Hitchcock.

0 comentários: