3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

sexta-feira, 25 de março de 2011

Vivendo e aprendendo

Cena da ópera de Feitiço da lua

Interessante essa despretensiosa trama de Feitiço da lua (Moonstuck, 1987). Ela fala de amor e decepção amorosa, de aproveitar as oportunidades que aparecem e, ao mesmo tempo, de continuar a acreditar. Por mais que tudo desse errado na vida de Loretta (Cher, que sempre me dá a impressão de ser uma boneca Barbie falante), ela ainda teve coragem de lutar por um amor "fulminante" quando ele apareceu. Na verdade, nada demaisnada de novo. Mas é uma melhor opção para uma Sessão da Tarde preguiçosa que um filme de cachorrinho. Sem falar nos fofos velhinhos da família de Loretta, o avô e o tio, tão apaixonados pela lua. No fim das contas, eu gostei do filme. Mas não posso deixar de "destilar o veneno". em algumas coisas...

E era assim que você queria arrumar um namorado, Loretta?

Tudo bem que o filme foi rodado nos anos 80, então já temos que "dar um desconto" no figurino. Mas o que fizeram com a Cher?! Tava na cara porque ela não arrumou nenhum namorado depois do falecimento do marido. Com aquelas roupitchas e aquele cabelo... Nem com boa vontade. Então temos Danny Aielo numa participação de luxo e Nicolas Cage como seu irmão mais novo e (suposto) galã do filme. Sim, tenho implicância com Cage. Mas acho que nenhuma mulher em sã consciência ia gamar no galã deprimido. Que aliás, eu só soube que estava deprimido porque ele não parava de falar que estava - interpretação, nota: zero. Pois bem, temos um galã que não é lindo nem charmoso e uma mocinha bem maltratada. Depois de uma noite de amor, ela resolve dar uma virada na vida. Compra roupas novas e... vai ao cabeleireiro! A esperança é a última que morre, né? A minha morreu 3 takes depois. Loretta entra no salão uma senhora mal cuidada, sai de lá um poodle! Não dá, gente! E na cena final? O noivo volta para a casa da noiva depois da milagrosa recuperação da mãe moribunda, afim de terminar o noivado. Nada mais normal que ver seu irmão propor casamento, em frente à toda família dela, à sua recém-ex-noiva. Fiquei mais ou menos como o avô de Loretta, confusa.

Nicolas Cage galã assim? Então tá...

Coincidência (ou não, para quem não acredita no acaso), assistimos ao filme na semana da superlua. Se a lua cheia normal já foi capaz de tantas mudanças na vida das personagens, imagina se fosse em época de superlua?

0 comentários: