3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

sábado, 11 de agosto de 2012

Cilada!

Lecionar para adolescente, quem questiona que é uma tarefa difícil? Mesmo assim, Immanuel Rath (Emil Jannings)é um respeitado e rígido profissional de um colégio de rapazes indisciplinados. Ao descobrir que os garotos tem frequentado um cabaré as escondidas, ele resolve ir ao local, flagar os alunos, e tirar satisfação com o dono do estabelecimento por permitir a entrada de menores. Lá se encanta por Lola Lola, uma cantora, ao ponto de deixar sua carreira de lado pela moça, que claro, leva a nada respeitosa vida de uma artista dos anos de 1920.

Deu para contar em quantas ciladas nosso protagonista se envolveu ao longo das quase duas horas de projeção? Escolheu lecionar para adolescentes. Era rígido demais e por isso sofria com revoltas dos alunos. Visitou um antro de perdição desrespeitoso para um profissional com seu status. Se envolveu com uma "moça da vida". Foi escrachado pelos estudantes por isso. Perdeu seu trabalho. Mudou todo seu estilo de vida por ela. É claro que o desfecho de tal jornada não podia ser bom.

Assim acompanhamos a jornada do professor por cinco anos. Desde que se aventurou em um local desconhecido, ao encantamento por uma mulher, a rotina, e a queda. O ritmo é lento, para os dias de hoje, mas não para a época. Esta também é culpada pelos resquícios do exagero do cinema mudo em algumas cenas. O cinema havia a pouco aprendido a falar.

O mais curioso é observar os padrões estéticos da época. Nada de mulheres extremamente largas, e basta um pouquinho de pele para ser "sexy". É de se estranhar em tempos que as roupas são muito menores, e não surtem nem metade do efeito que aquelas calçolas da vovó (com direito a babadinhos) conseguiam. O mesmo vale para a atuação de Marlene Dietrich, desprovido de grandes gestos e expressões que hoje relacionamos a personagens sexys. Ela faz os homens perderem a cabeça sem truques, apenas pelo fato de estar naquela posição. Simples, né!

Nem tão simples foi a caricata (novamente, natural para 1930) atuação de Emil Jannings. Ele vai do metódico professor, torna-se um bobo admirado, um fracassado sustentado pela mulher, antes de perceber desistindo de tudo.

Uma história de derrocada, sem redenção, reviravoltas, ou grandes lições. Pode surpreender os desavisados, que ficam a espera de um desfecho que tenha no mínimo uma alternativa, ou uma nova busca para o protagonista. Então vou logo avisando: deixamos Immanuel em um beco sem saída. "Falei pra vocês, mais uma vez...cilada!"

0 comentários: