Home » , , » E que se dane a história, eu matei o Hittler!

E que se dane a história, eu matei o Hittler!

Ah, o doce sabor da vingança...
Acho que é isso o que mais me chama a atenção nesse filme: a história é tipicamente Tarantina, com um monte de referências, vários personagens com histórias intrincadas, reviravoltas, sangue, interpretações memoráveis. O figurino perfeito, a caracterização minuciosa de cada personagem, a trilha sonora - marca registrada dos filmes de Quentin Tarantino - os cenários e locações lindíssimos... Tudo minuciosamente pensado, trabalhado e explorado. Mas a liberdade de fazer o que quiser no cinema, de contar a história que se quer contar, independente de se ater à realidade, faz desse filme uma catarse. Afinal, quem não gostaria de ter tido a oportunidade de colocar toda a cúpula do Reich nazista num cinema e explodi-lo?

O filme é todo pautado no grupo que ficou conhecido como os Bastardos, aqueles que não tão nem aí para a glória e que dão o nome à trama. O que eles querem? Matar nazistas. Porquê? Bom, uns porque já vinham sofrendo com a represália por ser judeu, como o cabo Wilhem Wicki - conhecido como O Urso Judeu (Gedeon Buckhard, ótimo) por matar os soldados nazistas com um bastão de beisebol (brutalidade, a gente vê por aqui), ou o sargento Stiglitz (Til Schweiger, excelente), que matou 13 oficiais da Gestapo sendo um genuíno alemão (com consciência, claro). O grupo era capitaneado pelo tenente Aldo Raine (Brad Pitt, com um nauseante sotaque do Tenesse - explicado no fim do filme), descendente de apaches (?!) e que queria os escalpos dos soldados mortos pelo grupo. Eles eram uma boa meia dúzia, mas conseguiram enfurecer o füher de tantos soldados alemães que mataram e/ou humilharam. Mas a história não começa a ser contada por aí. Eles só entram no capítulo 2. O capítulo 1 pertence à Shoshana (Mélanie Laurent, excelente) e sua triste história: sua família é massacrada no assoalho da sala onde viviam escondidos depois de terem sido delatados por seu protetor. Única sobrevivente, poucos anos depois, ela viria a se tornar a única herdeira de um cinema em Paris, onde acidentalmente iria chamar a tenção de ninguém menos que o herói alemão Fredik Zoeller (Daniel Brühl, suspira) e, involuntariamente, acabaria atraindo para seu pequeno cinema toda a elite do Reich, incluindo o ministro da propaganda nazista Joseph Goebbles (Sylvester Groth, muito bom), o próprio füher Hitler (Martin Wuttke, per-fei-to) e ninguém menos que o carrasco de sua família: aquele conhecido como O Caçador de judeus, coronel Hans Landa (Christoph Waltz, soberbo, brilhante). Enquanto Shoshana se prepara para sua própria vingança, os Bastardos também querem aproveitar a chance que lhes aparece.

Onde tudo começou: Landa caçando Shoshana
Com a ajuda de uma agente dupla, a famosa estrela Bridget von Hammersmark (Diane Krueger, lembrando os tempos áureos das divas americanas), o grupo tenta se programar para detonar o prédio quando a cúpula do Terceiro Reich estiver assistindo ao filme de Zoeller. Mas uma infeliz coincidência acaba por destruir os planos do grupo: um jovem soldado foi comemorar o nascimento do filho no lugar onde os Bastardos e a diva se encontrariam para combinar o atentado e o tenente inglês Archie Hicox (Michael Fassbender, suspira duas vezes) mandado para conversar com a agente dupla acaba por se denunciar como um falso oficial alemão para um legítimo - um simples gesto errado e a carnificina foi completa. O melhor plano dos Bastardos foi por água abaixo, até a atriz que serviria de álibi para a entrada do grupo estava ferida, e a operação estava comprometida. Após o massacre, Landa ainda aparece e descobre vestígios da presença de Von Hammersmark e soma 2+2. No dia da apresentação, ele desmascara a atriz e arruina os planos de Raine, que tinha ido como um cineasta italiano (simplesmente hilária a cena em que Landa tenta decifrar o sotaque dos 3 Bastardos, um acrítica ácida ao padrão americano de achar que não precisam saber nenhuma outra língua a não ser a própria). Dois de seus homens ainda estão no cinema, mas ele fora capturado por Landa, que assassina Von Hammersmark e vai ter com os conspiradores. Surpreendentemente, ele se oferece para ser levado como refém, se for dado a ele salvo conduto e algumas regalias. Então, chegamos ao clímax do filme: a tão sonhada vingança da Humanidade contra o führer

Krueger e Fassbender: quando o plano perfeito parece que vai para o ralo

A chacina dos Bastardos é apenas uma parcela do caos criado por Shoshana. No meio da apresentação do filme, ela projeta um desafio ao Reich, se assume como a judia foragida e promete a vingança de seu povo. Com a ajuda de seu namorado e único funcionário, após a declaração, ele põe fogo nos 350 rolos de filme de 35mm que eram do acervo do cinema - produto altamente incendiário. E fez-se o inferno no cinema, e os Bastardos se vingam metralhando todos os alemães desesperados, oficiais, políticos... Destaque para a cena marcante do Urso Judeu desfigurando o rosto de Hitler com tiros enquanto Shoshana proclama a vingança do povo judeu. Sensacional. São pequenas ligações assim que conectam o filme todo, e trazem um humor negro e uma sensação de vingança. Bastardos Inglórios (Inglorious Basterds, 2009) é um filme único: inteligente, mordaz, cheio de reviravoltas no momento certo, surpreendente, maduro, com excelente elenco e atuações mais que inspiradas. Dá para perceber o orgulho de Tarantino ao ver a última fala de Aldo Raine na última cena do filme, quando ele finalmente humilha o coronel Landa como ele merecia, e tirando ele de seu falso pedestal, ao fazer uma suástica na testa deste (assim como fizera com todos os outros raros sobreviventes de seus ataques às tropas alemãs): "Acho que essa é a minha obra-prima". Acho que preciso concordar com ele. 

0 comentários:

Meses temáticos!

Confira nosso catálogo de críticas e curiosidades completo, distribuído em listas e meses temáticos.

Lista de 2015 Lista de 2010
Meses temáticos
2014 2013 2012 2011
Trilogia Millenium Ficção-cientifica Pioneiros De Volta para o Futuro
Meryl Streep e o Oscar Broadway Brasileiros no Oscar Liz Taylor
Fantasias dos anos 80 Realeza Tarantino Filmes de "mulherzinha"
Pé na estrada Scorcese Chaplin Stephen King
Mês Mutante Off-Disney Filmes de guerra Noivas
Mês do Futebol Mês do Terror Agatha Christie Genny Kelly
Mês Depp+Burton Shakespeare HQs Harry Potter
Cinebiografias Pequenos Notáveis Divas Almodovar
Robin Williams Mês do Rock Woody Allen Remakes
Mês das Bruxas Alfred Hitchcock Rei Arthur Vampiros
Humor Britânico John Wayne John Hughes Elvis
Mês O Hobbit Contos de Fadas Apocalipse O Senhor dos Anéis

Especial do momento

Mulan

As definições do projeto para formar cinéfilas melhores foram atualizadas

Agora nos dedicamos a um filme por mês, sem deixar de lado as críticas dos lançamentos no cinema. Venha com a gente descobrir curiosidades dos nossos especiais e se atualizar das estreias nas telonas!

Receba por e-mail

Gêneros

Resenhas (771) Drama (235) Lançamentos (136) Ficção científica (109) Aventura (102) Comédia (76) Musical (52) Terror (47) Ação (46) Fantasia (36) Animação (29) Comédia romântica (25) Épico (24) Faroeste (22) Biografia (21) Thriller (7)

Arquivo do blog

Google+ Followers

Seja parceiro

Descubra como!
 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates