3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

domingo, 28 de setembro de 2014

Eu jogaria, e você?

Não há dúvidas, você pode se divertir à beça com jogos de tabuleiro. Mas, imagina se o assassino de "Detetive" (Clue), viesse te ameaçar quando você estivesse prestes à desmascara-lo. Ou virar um sem teto por não conseguir pagar a hipoteca do "Banco Imobiliário" (Monopoly). Com Jumanji é assim!


O jovem Alam Parish encontra o estranho jogo enterrado, em uma obra na fábrica de seu pai em 1969. Sem ter noção do que tem em mãos ele e Sarah iniciam uma rodada do jogo, cujas consequências incluem o desaparecimento de Alan. Passam-se 26 anos até que Judy (Kisrten Dunst) e Petter (Bradley Pierce) encontrem o jogo e continuem a partida obrigando Alan (Robin Williams) e Sarah (Bonnie Hunt) agora adultos a terminarem o jogo.

Feito nos primórdios da computação gráfica, o longa usa e abusa dos efeitos especiais, em uma escala só usada antes em Jurassic Park. É claro, duas décadas depois os efeitos estão datados, mas ainda sim surpreendem. Especialmente por funcionarem bem com os efeitos práticos que também são usados em grande escala no longa. Seres animatrônicos, cenários gigantescos, muitos extras e até enchentes, tornam a aventura gigantesca.

E assim o quarteto, vai enfrentando os desafios impostos por Jumanji, conforme o jogo as impõe. Enquanto toda a cidade tem que lidar com as "exitantes consequências" do jogo, que só devem cessar, claro, quando alguém vencer. Nesse processo Alam ainda vai aprender a lidar com o jeito rígido de seu pai, descobrir que o sentido de "amor bruto", e aprender a arcar com as consequências de seus atos.

Uma aventura divertida para toda a família, clássico da sessão da tarde dos anos de 1990. Pode não agradar, as crianças de hoje em dia, acostumadas com CGI super realista, mas certamente ainda diverte se assistido sob as circunstâncias corretas. E é um dos precursores dos filmes cheios de efeitos perfeitos que molecada assiste hoje em dia.

Not, the bullet time yet, but getting there...
 Particularmente, esta blogueira que vos escreve, assistiu ao longa na época e idade perfeitas. E por isso, este é provavelmente meu longa favorito com Williams. Sim, eu era uma daquelas crianças loucas, que adorariam jogar Jumanji. Infelizmente, nunca consegui convencer meus amigos a jogar comigo. O fato de nunca encontrar o tabuleiro enterrado em meu quintal também não ajudou. Mas se alguém precisar de parceiros, ainda topo!

0 comentários: