3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

terça-feira, 31 de março de 2015

Curiosidades de "A Lista de Schindler"

Steven Spielberg se recusa a autografar quaisquer materiais relacionados a este filme.

Steven Spielberg não foi pago para este filme. Ele se recusou a aceitar um salário, citando que seria "dinheiro de sangue". Em vez disso, ele deu o dinheiro para a Fundação Shoah que registra e preserva testemunhos escritos e filmados de sobreviventes do genocídio em todo o mundo, incluindo o Holocausto.

Steven Spielberg esperou 10 anos para fazer o filme porque ele sentiu que ele não estava pronto para enfrentar o Holocausto em 1983 com 37 anos.

Decisão de Steven Spielberg por fazer o filme tornou-se definitiva quando um dos executivos do estúdio perguntou por que ele não simplesmente fazia uma doação de algum tipo em vez de desperdiçar o tempo de todos e dinheiro em um filme deprimente.
Quando Steven Spielberg mostrou pela primeira vez ao compositor John Williams um corte do filme, Williams ficou tão emocionado que teve que dar um passeio fora por alguns minutos para se recompor. Após seu retorno, Williams disse a Spielberg que ele merecia um compositor melhor. Spielberg respondeu: "Eu sei, mas eles estão todos mortos."

O diretor Steven Spielberg era capaz de obter permissão para filmar dentro de Auschwitz, mas optou por não em respeito as vítimas.

Steven Spielberg começou a trabalhar neste filme, na Polónia, enquanto Jurassic Park: O Parque dos Dinossauros (1993) estava em pós-produção. Ele trabalhou no filme via satélite, com a ajuda de seu amigo George Lucas.


Steven Spielberg ofereceu o cargo de diretor a Roman Polanski. Polanski recusou pois o tema era muito pessoal. Ele viveu no gueto de de Cracóvia até os 8, quando escapou no dia da "liquidação". Sua mãe morreu mais tarde no campo de concentração de Auschwitz. Polanski viria a dirigir seu próprio filme sobre o Holocausto, O Pianista (2002).

A cena do captura no gueto de de Cracóvia tinha apenas uma página de ação no script original. Mas, Steven Spielberg transformou-o em 20 páginas, e 20 minutos de ação na tela "com base em depoimentos de testemunhas que sobreviveram". A cena em que o jovem escapa da captura pelos soldados alemães, dizendo-lhes ele foi obrigado a limpar a rua foi retirada de um depoimento de um sobrevivente.

Branko Lustig, um dos produtores de A Lista de Schindler, é um dos sobreviventes dos campos de concentração nazistas e já produziu alguns outros filmes que abordavam este tema, como A Escolha de Sofia (1982).

O romance de Thomas Keneally em que o filme é baseado foi intitulado "A arca de Schindler".

A lista original dos judeus ausentes de Schindler foi encontrada em uma mala de viagem, juntamente com o seu legado escrito escondido no sótão de seu apartamento em Hildesheim, em 1999. Oskar Schindler viveu lá durante os últimos meses antes de sua morte em 1974.

O primeiro relato publicado da história de Schindler foi um artigo escrito por Kurt R. Grossman, "The Humanitarian que enganou Hitler", que apareceu em setembro 1959 na revista Coronet.

Para reunir trajes para 20.000 extras, a figurinista publicou anúncios que procuravam roupas. Como as condições econômicas ruins na Polônia, muitas pessoas estavam ansiosas para vender roupas que ainda tinham dos anos 1930 e 40.

De acordo com os diretores de arte, nenhuma tinta ou roupas verdes foram usados no set, porque a cor não iria aparecer bem em filme preto e branco. Foi dada especial atenção para a quantidade de iluminação ou de pintura foi utilizada a fim de aparecer correctamente no filme, independentemente de quão irreal parecia na vida real.

O filme a preto e branco mais caro até o momento. O recorde anterior foi realizado mais de 30 anos antes por um outro filme ambientado durante a Segunda Guerra Mundial, O Mais Longo dos Dias (1962).

O logotipo da Amblin, mostrando a bicicleta voando pela a lua de ET - O Extraterrestre (1982), uma presença regular nas produções de Spielberg, não está presente aqui, talvez por causa do tema sombrio.

Filmagens concluídas em 72 dias, quatro dias antes do previsto. O mesmo tempo foi utilizado para outros filmes de Steven Spielberg, Os Caçadores da Arca Perdida (1981) e Guerra dos Mundos (2005).

Um dos dois ganhadores do Oscar de melhor filme a mostrar uma criança pulando em um tanque de resíduos sob um vaso sanitário. O outro é Quem quer ser um Milionário? (2008).


Steven Spielberg é um dos judeus libertados de Schindler entre as centenas que atravessam um campo perto do fim do filme.

Ator suíço Bruno Ganz foi procurado desempenhar o papel de Oskar Schindler, mas recusou. Ganz mais tarde apareceu em outro filme sobre a 1ªGM aclamado pela crítica: A Queda! As Última
s Horas de Hitler (2004), no qual ele interpretou Adolf Hitler.

O verdadeiro Oskar Schindler e Lian Neeson 
Quando sobrevivente Mila Pfefferberg foi apresentada a Ralph Fiennes no set, ela começou a tremer incontrolavelmente, pois ele lembrou muito o real Amon Goeth.

Durante as filmagens, Ben Kingsley, que viveu Itzhak Stern, manteve uma imagem de Anne Frank, a jovem que morreu em um campo de concentração e cujo diário pessoal foi publicado depois do Holocausto, no bolso do casaco. Alguns anos mais tarde, Kingsley viveu Otto Frank, pai de Anne, no telefilme "Anne Frank: The Whole Story."

Embeth Davidtz optou deliberadamente por não conhecer Helen Hirsch, a personagem que ela estava interpretando no filme, até que após a filmagem ser concluída.

Ambos Kevin Costner e Mel Gibson ofereceram seus serviços, mas Steven Spielberg decidiu por nomes menos conhecidos, pois a presença de uma grande estrela seria muita distração.

Diz-se que, durante as filmagens, a atmosfera era tão triste e deprimente que Steven Spielberg pediu a seu amigo Robin Williams se ele poderia filmar alguns esquetes cômicos.

Steven Spielberg assistia episódios de Seinfeld, todas as noites, depois do trabalho para aliviar o seu humor.

A pessoa que coloca a flor em cima das pedras nos créditos finais é Liam Neeson e não Steven Spielberg, como algumas pessoas pensam.

0 comentários: