Primeiro Ano

Primeiro Ano (Première Année, 2018) é um filme interessante por muitos motivos: uma ficção com toques de documentário, usa das memórias do diretor e roteirista Thomas Lilti para lançar um olhar crítico ao sistema educacional francês - que é bem pouco familiar ao nosso público. Para cursar medicina na universidade parisiense, os alunos precisam passar por uma prova disputadíssima - e a classificação geral é levada em conta na distribuição das vagas eletivas. A tensão jogada sobre os ombros dos jovens que desejam entrar nessa verdadeira batalha é o foco da trama, mas a estória contada por Lilti é bem mais que apenas isso.


Antoine (Vincent Lacoste) aguarda com ansiedade seu nome ser chamado para a mesa. Há poucas vagas sobrando para o curso que tanto almeja, medicina, e ele está prestes a ser chamado. Infelizmente, não há mais vagas para ele. Mesmo podendo escolher outra carreira, ele prefere desistir desse processo seletivo e tentar novamente. Sua atitude é aplaudida pelos outros estudantes que, assim como ele, esperam sua oportunidade. Benjamin (William Lebghil) é um calouro no curso de medicina. Já na primeira aula ele percebe que não será fácil: a pressão dos veteranos, as estatísticas pouco animadoras dadas pelos professores e coordenadores. Mas nada disso parece assustar Benjamin, e depois entenderemos por quê.

Antoine (Lacoste): repetente e persistente
Antoine é o típico estudante de medicina: esforçado ao máximo, dedica-se quase integralmente aos estudos. Medicina é sua paixão, e ele está disposto a sacrificar tudo para poder ingressar na faculdade - até mesmo sua saúde. Benjamin é, de muitas formas, privilegiado: com o pai e o irmão já formados na área, ele sabe como funcionam as coisas - passar no exame é essencial, mas há meios menos extenuantes de se conseguir superar essa provação. Vindo de mundos diferentes e com motivações distintas, os jovens começam uma amizade que se mostra prolífica para ambos: enquanto Benjamin consegue ajudar Antoine com métodos de assimilação de conteúdo, Antoine injeta em Benjamin a vontade que lhe falta para se dedicar aos estudos. Mas nem tudo são flores nessa jornada.

Benjamin (Lebghil): sempre meio deslocado e com um grande apetite
A pressão da concorrência e a quantidade absurda de conhecimentos específicos (tão gerais quanto saber cálculo integral e os componentes celulares e suas funções) que pesam sobre eles é quase palpável. Ainda assim, para os dois jovens, desistir não é uma opção: é como se fracassar no ingresso, sem importar quantas tentativas fizessem, fosse impossível de acontecer. E aos poucos vamos descobrindo os motivos, e o quanto a dedicação vai tomando da vida deles sem que percebam. Há uma linha muito tênue entre o abismo e a amizade entre eles.

Benjamin e Antoine tornam-se amigos: um vira o combustível do outro para seguir em frente
Lilti mistura imagens reais dos exames com cenas gravadas na universidade, e os desabafos reais dos alunos pré e pós-exame casam com as sensações transmitidas pela excelente dupla de protagonistas, Lacoste e Lebghil. A sensibilidade deles em representar dois tipos diferentes de lidar com a situação é equivalente à do diretor em equilibrar os pontos de vista entre eles e costurar uma crítica social contundente: ora estamos acompanhando o drama de Antoine e sua dedicação extrema, ora o de Benjamin e sua luta interna para não decepcionar às expectativas da família. As pequenas as pinceladas da vida não-acadêmica deles mostram o quão desequilibrada é a rotina de um estudante sério: falta de habilidade social, péssima alimentação, noites de sono e a própria saúde negligenciadas. A bomba-relógio está sempre tique-taqueando ao fundo.

Pressão e concorrência: uma rotina extenuante de estudos não garante o sucesso
O longa envolve e emociona o público, a ponto de nos fazer torcer para que os dois consigam a vaga, mesmo sabendo que as probabilidades de ambos conseguirem entrar seja mínima - e isso é dado lá da estatística, do princípio do filme. Tenso, emocionante e em muitos momentos divertido (afinal, são dois jovens que amam a vida quem protagonizam essa estória), Primeiro Ano é uma boa oportunidade de conhecer um universo acadêmico pouco explorado - a luta quase brutal para começar uma carreira acadêmica. Vale a pipoca (e um croissant de chocolate também).

0 comentários:

Meses temáticos!

Confira nosso catálogo de críticas e curiosidades completo, distribuído em listas e meses temáticos.

Lista de 2015 Lista de 2010
Meses temáticos
2014 2013 2012 2011
Trilogia Millenium Ficção-cientifica Pioneiros De Volta para o Futuro
Meryl Streep e o Oscar Broadway Brasileiros no Oscar Liz Taylor
Fantasias dos anos 80 Realeza Tarantino Filmes de "mulherzinha"
Pé na estrada Scorcese Chaplin Stephen King
Mês Mutante Off-Disney Filmes de guerra Noivas
Mês do Futebol Mês do Terror Agatha Christie Genny Kelly
Mês Depp+Burton Shakespeare HQs Harry Potter
Cinebiografias Pequenos Notáveis Divas Almodovar
Robin Williams Mês do Rock Woody Allen Remakes
Mês das Bruxas Alfred Hitchcock Rei Arthur Vampiros
Humor Britânico John Wayne John Hughes Elvis
Mês O Hobbit Contos de Fadas Apocalipse O Senhor dos Anéis

Especial do momento

Mulan

As definições do projeto para formar cinéfilas melhores foram atualizadas

Agora nos dedicamos a um filme por mês, sem deixar de lado as críticas dos lançamentos no cinema. Venha com a gente descobrir curiosidades dos nossos especiais e se atualizar das estreias nas telonas!

Receba por e-mail

Gêneros

Resenhas (799) Drama (244) Lançamentos (164) Ficção científica (113) Aventura (106) Comédia (78) Ação (56) Musical (53) Terror (50) Fantasia (42) Animação (31) Biografia (25) Comédia romântica (25) Épico (24) Faroeste (22) Thriller (8)

Arquivo do blog

Seja parceiro

Descubra como!
 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates