Home » , » Crítica: Honeyland

Crítica: Honeyland



Por Ana Beatriz Marin

O uso de um irretocável plano aberto como a primeira imagem de Honeyland dá a dimensão da imensidão das montanhas que cercam o vilarejo de Bekirlija, na região de Ovce Pole, na Macedônia do Norte. Tal opção evidencia também a relação de Hatidze Muratova, protagonista do documentário de Ljubo Stefano e Tamara Kotevska com o lugar. Apicultora, ela vive isolada com a mãe Nazife, de 85 anos, e suas abelhas, das quais extrai o mel de que se alimenta e tira parte de seu sustento. Mora desde sempre ali, conhece canta canto e cada penhasco que, por mais íngreme que seja, lhe é familiar.

Honeyland é um documentário de observação. Ou seja, a câmera filma enquanto a vida acontece, sem interferência dos diretores. De qualquer forma, é nítida a intimidade entre Hatidze e a equipe de filmagem (os dois diretores e um cinegrafista), adquirida e reforçada em três anos de convivência e cem dias de filmagem in loco. O resultado é um belíssimo e sensível registro do dia a dia de uma mulher solitária, que vê sua rotina alterada pela chegada de uma família turca itinerante. A cumplicidade surgida da convivência com os documentaristas permite que eles captem momentos de preocupação da apicultora em relação aos novos vizinhos (em conversas com a mãe, por exemplo) e também de interação e descontração entre todos (quando ela brinca com as crianças - são sete no total - ou compartilha tarefas).

Hatidze vive numa casa sem luz elétrica. Por isso, as cenas interiores, nas quais aparece com a mãe, foram filmadas com luz de vela ou lamparinas, o que reforça o caráter documental da obra. A senhora, muito doente, já não anda e enxerga apenas com um olho. Nesses momentos, acabamos por saber mais sobre os questionamentos de Hatidze acerca de sua vida pessoal. Descobrimos, por exemplo, que ela nunca se casou porque o pai rejeitou todos os pretendentes que surgiram e que tem medo do que pode acontecer com sua vida quando a mãe e os vizinhos forem embora.



Ljubo Stefano e Tamara Kotevska também lançam seu olhar para outras duas questões: a ganância e a relação do homem com a natureza. Se, no início, a chegada da família turca causa uma certa apreensão em Katidze, logo a sensação desaparece e dá lugar a uma convivência pacífica. A apicultora é uma mulher forte, que diz o que pensa, mas é também muito amorosa, principalmente com as crianças, e divide com todos sua comida, suas histórias e seu conhaque. No entanto, Hussein, o patriarca, em algum momento vislumbra a possibilidade de ganhar muito dinheiro com a venda do mel. Com isso, a harmonia começa a se romper, provocando não apenas uma ruptura na relação, mas um enorme e desolador desequilíbrio na natureza.  Poderia ser um roteiro de ficção, mas não é. Talvez por isso mesmo cause tanta empatia no espectador.

Os moradores da região - a localidade onde Hatidze vive fica a 18km da cidade mais próxima, Dorfulija - falam um vernáculo turco antigo, e não conta com legendas, narrações em off ou qualquer outro elemento externo que ajude a explicar a história. De modo que toda a narrativa se dá pela ação dos personagens e pelas imagens.

Honeyland concorreu ao Oscar em duas categorias: Documentário e Filme Internacional. Em fevereiro de 2019, levou o Prêmio do Grande júri do Festival de Sundance como melhor documentário internacional, e venceu nas categorias de Fotografia e Impacto para Mudança.

0 comentários:

Meses temáticos!

Confira nosso catálogo de críticas e curiosidades completo, distribuído em listas e meses temáticos.

Lista de 2015 Lista de 2010
Meses temáticos
2014 2013 2012 2011
Trilogia Millenium Ficção-cientifica Pioneiros De Volta para o Futuro
Meryl Streep e o Oscar Broadway Brasileiros no Oscar Liz Taylor
Fantasias dos anos 80 Realeza Tarantino Filmes de "mulherzinha"
Pé na estrada Scorcese Chaplin Stephen King
Mês Mutante Off-Disney Filmes de guerra Noivas
Mês do Futebol Mês do Terror Agatha Christie Genny Kelly
Mês Depp+Burton Shakespeare HQs Harry Potter
Cinebiografias Pequenos Notáveis Divas Almodovar
Robin Williams Mês do Rock Woody Allen Remakes
Mês das Bruxas Alfred Hitchcock Rei Arthur Vampiros
Humor Britânico John Wayne John Hughes Elvis
Mês O Hobbit Contos de Fadas Apocalipse O Senhor dos Anéis
As definições do projeto para formar cinéfilas melhores foram atualizadas

Nascemos como um projeto para assistir e conhecer cinema. Maratonamos várias listas de filmes, e aprimoramos nossa cinefilia. Agora estamos em uma pausa (esperamos que breve), mas ainda temos tempo para resenhar um lançamento ou outro. Vem amar cinema com a gente!

Receba por e-mail

Gêneros

Resenhas (825) Drama (247) Lançamentos (174) Ficção científica (113) Aventura (108) Comédia (79) Ação (59) Musical (54) Terror (51) Fantasia (43) Animação (32) Biografia (27) Comédia romântica (26) Épico (24) Faroeste (22) Thriller (8)

Arquivo do blog

Seja parceiro

Descubra como!
 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates