3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

É mesmo um faroeste???

Já fomos maus, agora somos aposentados!!!
Que imagens vem a mente imediatamente ao ouvir a palavra faroeste? Aquele rolo de palha voando em uma rua barrenta e deserta, índios,  cartazes de procurado vivo ou morto, alguém sendo jogado através de uma porta 'vai-e-vem' de um saloon e caindo no bebedouro dos cavalos. E, é claro, um duelo ao amanhecer, (ou por do sol), dez passos para cada lado, close na arma, close nos olhos e o bang-bang.

Pois o único western da nossa lista, não tem nada disso que citei no primeiro parágrafo. Bill Munny (Clint Eastwood) é um pistoleiro aposentado. Mudou de vida após conhecer sua esposa, agora viuvo tenta criar seus filhos longe da sua velha vida. Quando protitutas oferecem 1000 dólares para quem trouxer a cabeça dos homens que agrediram uma delas, ele volta a ativa na companhia de seu parceiro Ned (Morgan Freeman) e um jovem pistoleiro,Schofield Kid (Jaimz Woolvett). Enquanto na cidade o xerife Little Bill Daggett (Gene Hackman) tenta evitar a matança por recompensa e fazer valer as suas leis.
Não procure clichês no meu filme, vaqueiro!!!

Nada de bom moço, nem de donzela em apuros! Em os imperdoáveis torcemos para o protagonista pistoleiro e prostitutas em busca de justiça. E sem culpa alguma, afinal nenhum dos personagens é santo (e quem é nesse mundo?). Além do tipos já citados, ainda temos o xerife vaidoso, o escritor caça-histórias, o dono do saloon/cafetão. 

O roteiro é supreendente, mesmo assim, precisou vinte anos sem destino em Hollywood, para alguém se dispor a tornar Os Imperdoáveis, uma realidade. Para compensar quando saiu do papel para as telas, parece que tudo se encaixou. Os belos cenários, fotografia, e as incríveis atuações. 

Personagens tem mais profundidade do que costumamos encontrar no gênero. Carregam o peso do passado, os dilemas, e dificuldades em sua busca seja ela qual for. Justiça, redenção, mudança, uma boa história. Falando em história impossivel não se divertir com o patético escritor W. W. Beauchamp (Saul Rubinek),     Sempre a caça de uma hitória melhor, ele pula de bandido em bandido, mesmo sabendo que fica apavorado na presença deles. Aliais um dos bandidos 'biografados' por ele Bob, o Inglês, é interpretado por Richard Harrys (o primeiro Dumbleore), também em uma brilhante atuação.
Chuva em um bang-bang, poético isso!
Em um gênero onde costumamos ver alguém cair (literalmente, as vezes da janela do segundo andar) morto a todo segundo em meio ao tiroteio, uma obra prima mostra que matar não é tão fácil, mesmo quando se está no ramo a décadas. Não é meu gênero favorito, mas sem dúvida Os Imperdoáveis me conquistou.

0 comentários: