3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Cópia ruim!

Ah, o cinema nacional de antigamente!!! Décadas antes da retomada, antes do extermínio do cinema tupiniquim pela era Collor. Ouve-se muito falar, mas raramente assistimos a algo de verdade. À exceção dos Trapalhões, é claro. Sobre Glauber Rocha, então, mesmo o mais alienado cinéfilo já ouviu falar. Logo, não é de se admirar que um de seus longas esteja em nossa lista.


Entretanto tudo que consegui de Terra em Transe, o filme em questão, foi uma cópia ruim. Claramente gravada de um VHS antigo a péssima qualidade apenas tornou mais evidente a dificuldade que é entender esse filme.

Engajado, político o retrato de uma época. Qualquer semelhança com a realidade, não é mera coincidência. Produzido (e censurado) em plena ditadura militar, mostra a realidade do Brasil pré-ditadura, sob o disfarce do país fictício Eldorado.

Um filme difícil e que, embora atemporal, representa a época em que foi lançado. E provavelmente causou mais impacto nessa época, com as pessoas que viviam aquela realidade. Confuso, e um pouco fora da realidade desta blogueira que vos escreve. Mas, com certeza, uma aula de história e uma ótima oportunidade conhecer um cinema nacional, do qual apenas ouvimos falar.

3 comentários:

Danielle disse...

Meninas, esse eu ainda não conheço - eu o estou baixando. Preciso vê-lo pra também parar de me sentir culpada sempre que alguém me diz: "Você ainda não viu 'Deus e do Diabo...'"? Alienada!

Oh, o peso da tradição...

Pelos comentários de vocês parece que vou ter que me preparar psicologicamente para o que vou enfrentar!

Bjinhos
Dani

Danielle disse...

Putz, troquei o nome do filme. Ato falho! Só pra vocês verem como me sinto por não ter visto nada do Glauber...

Fabiane Bastos disse...

Liga não, isso acontece. Aliais "Deus e o Diabo" devia estar em nossa lista.

E sim precisa de um preparo psicológico p/ acompanhar o longa. Eu e a Geisy não temos esse preparo.

Quem sabe a Gi salve a pátria?