3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Só o charme não sustenta...

Quando a luz dos olhos teus e a luz dos olhos meus resolvem se encontrar...

A lenda dos beijos perdidos (Brigadoon, 1954) é um filme chato. Desculpem, mas é. E olha que eu gosto de musicais, daqueles que os atores começam a cantar do nada, e saem dançando pela rua e mexedo com todo mundo sem que ninguém ache isso estranho... Mas aguentar esse filme foi triste.

As coreografias de Gene Kelly são lindas, muito fluidas. Ele dançando é um charme que só. A leveza de (Fiona) também me impressionou, ficaram lindos os duetos com Kelly. O porém está no tamanho dessas cenas. São muito longas, acabam ficando cansativas. As músicas também não agradam... E quem foi que teve a brilhante ideia de acrescentar à história uma sequencia inteira ao som de uma orquestra de gaita de foles?!

Além disso, a história é batida e sem graça: um lugar que não existe no mapa é encontrado por acaso. As pessoas que lá vivem não podem sairou todas morrerão, a cidade vai desparecer. Então é óbvio que o mocinha vai se apaixonar pela moça mais linda da cidade, que por não por acaso, é solteira e está louca por arrumar um marido. Eles se apaixonam, mas ele decide voltar para a cidade ao ver que seu amigo precisa dele. Tudo se vai, eles volta para a cidade grande, mas então Tommy já não se sente mais em casa. Até que ele decide dar um basta: precisa saber se tudo foi um sonho ou se foi verdade ter conhecido aquela cidade, aquela garota. Volta e encontra a cidade, elavem correndo para os seus braços e "happy end". E a lição? "Se você ama profundamente, nada é impossível". Lindo, romântico e brega. Eu adoro, mas a única reação que tive ao final do filme foi "aaff!". Muito blablablá, eu te amo,e ada de verdade acontece. Nada que abale meu amor por Gene Kelly, mas esse filme é pra esquecer... Tomara que o próximo filme seja mais bacana.

1 comentários:

Rodrigo Mendes disse...

Olá moças já são parceiras!
Beijos,
Rodrigo