3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Curiosidades de O Cantor de Jazz

O Cantor de Jazz é o primeiro longa com falas e  canto sincronizado (na época com um disco de acetato.

Custou 422 000 dólares, uma grande quantia para os padrões da Warner, e foi um enorme sucesso de público.

O filme já deus as caras no blog. Em Cantando na Chuva, história fictícia inspirada por vários casos reais, ele é grande revolução que ameaça estúdios e atores com voz ruim, assim como foi na vida real. Nascia aí a era dos "talkies".

Como a maioria das salas ainda não estavam preparadas para a projeção de filmes sonoros, o filme foi inicialmente exibido fora das grandes cidades em uma versão silenciosa. Apenas no ano seguinte este filme foi exibido nacionalmente em sua versão falada e cantada.

O minstrel ou minstrel show, no qual se fundamenta a interpretação musical de Jolson neste filme, é um tipo de teatro norte-americano de variedades que surgiu em 1830, onde alternadamente são apresentados dança, música, esquetes cômicos, atos variados, por atores brancos, de descendência européia, com a cara pintada de negro, tentando personificar de forma caricatural os negros norte-americanos. Depois da guerra civil, os atores eram frequentemente negros pintados de negro. No minstrel os negros são retratados como ignorantes, preguiçosos, supersticiosos e musicais. Sobreviveu como divertimento interpretado por atores profissionais até 1910, continuando de forma amadora até 1950. Em 1960 com as primeiras vitórias nas lutas pelos direitos civis e contra o racismo nos Estados Unidos, esta forma perdeu totalmente a sua popularidade.

Em 1998, o filme foi escolhido pelo American Film Institute como um dos melhores filmes norte-americanos de todos os tempos

Vencedor do Oscar Especial pela excelente produção, pioneira dos filmes falados, e que revolucionou a indústria cinematográfica. Foi um dos primeiros filmes a ganhar o Oscar, dividindo a premiação especial com O Circo, de Charlie Chaplin.

0 comentários: