3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Curiosidades de O Beijo da Mulher-Aranha

O Beijo da Mulher Aranha foi a primeira produção independente a ser indicada ao Oscar de melhor filme.

Baseado no romance El beso de la mujer araña, escrito pelo argentino Manuel Puig em 1976, no mesmo ano em que a democracia é novamente derrubada em seu país, apenas três anos após ser reestebelecida.

O Beijo da Mulher Aranha foi produzido logo após o auge da repressão política na América Latina. Em 1979, de todos os treze países da América do Sul, apenas três – Colômbia, Guiana e Venezuela – não eram governados por uma ditadura militar. 

A história do filme traz um exemplo clássico do "filme dentro do filme". O filme, fictício, se chama Her Real Glory (em português: A Verdadeira Glória Dela) e teria sido produzido pela Alemanha Nazista durante a Segunda Guerra Mundial. 

O ator Burt Lancaster, que recebeu um agradecimento especial nos créditos finais. Foi ele quem iniciou o projeto de O Beijo da Mulher-Aranha, na época nome provisório do filme ainda era Molina. Lancaster procurava financiamento para o filme desde 1981, quando Babenco. Lancaster estava interessado em interpretar Molina, mas teve que desistir após sofrer um ataque cardíaco em junho de 1983, aos 70 anos de idade.

Após a saída de Burt Lancaster do projeto, Hector Babenco cogitou rodar o filme com  Paulo José e Chico Díaz nos papeis principais. Mas Raul Julia sugeriu o nome de um amigo, o até então pouco conhecido galã de Corpos Ardentes, de 1980, seu filme mais lembrado. William Hurt acabou ficando com o papel e por ele ganhou seu único Oscar em 1985.

Custou menos de 1 milhão de dólares e arrecadou mais de 17 milhões apenas nas bilheterias norte americanas. 

AliceBraga não sabia falar inglês na época das filmagens, e todas as suas falas tiveram que ser decoradas foneticamente.

Durante os ensaios, Hurt e Julia tiveram problemas para encontrar a química necessária entre seus personagens. Hurt sugeriu que eles experimentassem trocar de papéis. Os ensaios deram certo e Hurt sugeriu a Babenco que os atores deveriam trocar de papéis nas filmagens do filme também. O diretor não aceitou a troca.

Hurt e Julia teriam trabalhado de graça no filme, recebendo apenas o dinheiro de suas passagens e hospedagem no Brasil. 

Manuel Puig foi quem primeiro adaptou sua própria obra, no formato de uma peça de teatro. A adaptação, entretanto, só veio após o lançamento do filme.

Após o sucesso do filme, 1993 foi produzido um musical homônimo na Broadway. O espetáculo foi encenado 904 vezes no Teatro Broadhurst a partir de 3 de maio daquele ano. Recebeu quatro prêmios Tony, melhor peça musical, melhor atriz em peça musical (Chita Rivera) melhor roteiro de peça musical e melhor trilha-sonora de peça musical.

Versão nacional do espetáculo da Broadway

2 comentários:

Hugo disse...

É um filme forte, um dos melhores de Babenco, valorizado principalmente pelas interpretações do trio de protagonistas.

Até mais

Fabiane Bastos disse...

Com certeza, merece o espaço por aki.

Valeu pela visita.