3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

sábado, 10 de março de 2012

Curiosidades de Kill Bill - Vol.1


Selecionamos algumas dentre dezenas de curiosidades da saga da Noiva.


Profundo conhecedor da sétima arte Tarantino transformou Kill Bill em um celeiro de referências, confira:

  • Toda a história de Kill Bill - uma mulher que busca vingança de um grupo de pessoas, marcando-as em uma lista e matando um por um - é adaptado do filme japonês de 1973 Lady Snowblood, no qual uma mulher mata a gangue que assassinou sua família. O jornal britânico The Guardian comentou que Lady Snowblood foi "praticamente um modelo para todo o Kill Bill Volume 1".
  • O enredo também é bastante semelhante ao filme A Noiva Estava de Preto (1968), de François Truffaut, no qual cinco homens tornam uma jovem viúva no dia de seu casamento. Ela quer vingança, matando metodicamente cada um dos cinco homens usando vários métodos.
  • Kill Bill ainda presta homenagem ao western spaghetti, blaxploitation, "wuxia" chinês e filmes japoneses de artes marciais, e filmes de kung fu dos anos 60 e 70. Este último gênero, que foi produzido em grande parte pelos Shaw Brothers, é dado como óbvio pela inclusão do logo Shaw Scope logo no começo de Kill Bill: Volume 1.
  • Um influente filme de exploração que Tarantino mencionou em entrevistas é o sueco Thriller - En Grym Film, lançado nos EUA como They Call Her One Eye. Tarantino recomendou que a atriz Daryl Hannah assistisse o filme para se preparar para seu papel como a assassina de um olho Elle Driver.
  • A série japonesa de mangá e filmes Lobo Solitário e Filhote são ecoadas nos personagens de A Noiva e sua filha. A versão de compilação americanizada de Shogun Assassin, é na verdade vista pelas duas personagens.

E claro, a roupa da Noiva é semelhante a roupa do Bruce Lee no filme o Jogo da Morte (1973)


Os créditos finais de Kill Bill: Vol 2 incluem uma pequena lista de diretores, escritores e atores, sob o título "RIP", incluindo Sergio Leone, Sergio Corbucci, Lee Van Cleef, e de vários diretores de artes marciais.

Kill Bill foi inicialmente planejado como um único filme, mas devido à longa duração que teria o diretor Quentin Tarantino e os produtores da Miramax Films acabaram concordando em dividi-lo em duas partes, com lançamento de 6 meses entre elas;

Tarantino revelou que todas as canções do filme vieram de outros filmes. Ele usou as músicas de sua coleção de trilhas sonoras.

Quentin Tarantino escolheu três atores de diferentes nacionalidades para representar seus países em Kill Bill. No filme Gordon Liu representa a China, Sonny Chiba representa o Japão e David Carradine representa os Estados Unidos. Tarantino declarou ainda que, caso ainda estivesse vivo, teria convidado Bruce Lee a atuar no filme;

Quentin Tarantino deu o roteiro de Kill Bill e sua protagonista a Uma Thurman como presente pelo seu aniversário de 30 anos, em 2000. E ainda adiou as filmagens por vários meses, devido a gravidez de Uma Thurman;

Tarantino teve a idéia do roteiro ainda durante as filmagens de Pulp Fiction - Tempo de Violência (1994);

James Parks, que interpreta Edgar McCraw, fez o mesmo personagem em Um Drink no Inferno 2 - Texas Sangrento (1999), Planeta Terror (2007) e À Prova de Morte (2007); Olha o Código Tarantino aí!

Cada personagem do grupo de assassinos de Kill Bill possui um codinome referente a algum tipo de cobra;

Foram utilizados 450 galões de sangue falso nos dois filmes de Kill Bill;

Os símbolos japoneses que aparecem ao fundo do pôster de Kill Bill significam "kirubiru", que é o modo de dizer "Kill Bill" em japonês;


A versão japonesa de Kill Bill possui mais violência explícita que a americana;


Os conjuntos de Tóquio em miniatura eram sobras do então mais recente filme de Godzilla (Godzilla, Mothra e King Ghidorah: monstros gigantes All-Out Attack).

A cena da igreja foi filmado no deserto de Mojave fora de Lancaster, CA. Mantenha-se atento durante essa cena para uma participação especial de Samuel L. Jackson como o morto tocador de órgão Bo Svenson como o pregador.

David Carradine é apenas ouvido no filme, nunca visto (exceto por suas as mãos na cena de abertura e na cena final).

Durante as filmagens, os atores, muitas vezes, faziam uma tomada "Hello, Sally!". Isto implica em o ator terminar o seu cena, virando-se para a câmera, e gritando "Olá, Sally!". Se Sally Menke editor gostou da brincadeira ainda não foi relatado.

- Hello, Sally!

0 comentários: