3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

sábado, 15 de março de 2014

Lenda de que???

- Que filme é esse Bia? - Perguntou minha mãe enquanto eu assistia o filme da semana, já na altura do que deveria ser o clímax do longa.
- A Lenda.
- Lenda de que?
- Isso, eu acho que nem os roteiristas sabiam!!! 

Não que a fantasia não tenha suas qualidades. Cenários: ok! Figurinos e penteados típicos: ok! Maquiagem: ok! Enrredo? Desenvolvimento de personagens? Bom... parece que não se pode ter tudo.

Típica princesa de contos de fada Lily (Mia Sara, a namorada de Ferris Bueller) é curiosa e travessa, anda com tipos suspeitos na floresta, mas ainda sim é uma alma pura e inocente. Ela é amiga de Jack (Tom Cruise), um filho da floresta que até fala a língua dos animais. Finalmente o rapaz resolve levar a princesa para ver os míticos unicórnios. Caso você não saiba, donzelas são perfeitas para atrair unicórnios. Os equinos com chifres baixam a guarda na presença de sua alma pura e inocente. É claro, que haveria um vilão espreita na primeira vez que Lily vê uma dessas criaturas.

Voldermort precisava do sangue dos unicórnios para sobreviver, o vilão deste filme Escuridão (representado apenas por seus capangas quase até o clímax)  quer simplesmente extinguir as criaturas luminosas da face da terra. Restam apenas um casal (será que resolveram não acasalar mais, desde que saíram da arca?). E com um deles morto (ou apenas mortalmente ferido? Sério não tenho certeza) o mundo mortal é congelado exceto por Lily e Jack.


Enquanto o mocinho conhece fadas, duendes e elfos que vão elege-lo seu campeão e arma-lo com uma uma bela armadura, que não tem calças. A donzela em perigo, descobre o plano de Escuridão e vaga assustada pela floresta (igualzinho a Branca de Neve de Disney faria) até conseguir encontrar uma das criaturas mágicas e avisar para que fujam. Apenas para imediatamente ser capturada com o último unicórnio restante.

Escuridão então se encanta pela moça, decide leva-la para o lado escuro da força "namorando-a". Sim, você entendeu a metáfora sexual, aliais presente em várias cenas! Cabe agora ao Sir Cruise sem calças, resgatar unicórnio e moça e salvar o planeta de um futuro de Escuridão.
Bela cena, onde a mocinha é seduzida pelo lado negro da força através
de uma dança com metáforas impróprias para menores!
Ok! Fantasias são cheias de mistérios e magia, mas também tem regras (próprias ou herdadas de outras lendas) e contexto. Não custa perder alguns minutos para apresentar melhor este universo, aliais inserir o expectador no mundo fantástico é o que o faz torcer por aquela terra imaginária. Lily e Jack são apresentados às pressas, outros simplesmente aparecem e quando indagados sobre sua origem respondem com frases poeticamente vagas.

Mas há algo de bom nesta Lenda! E este lado bom é exatamente, sua parcela malévola. Escuridão (Tim Curry), está oficialmente no meu Top 5 de "diabões" do cinema. Por sua atuação inspirada, que transparece por baixo de toneladas de maquiagem. Mas, principalmente pelas toneladas de bem elaborada maquiagem, que conferem ao ator feições diabólicas, pele vermelha e chifres gigantescos. Felizmente, não assisti este longa na infância pois, teria pesadelos. Hoje em dia, bem que eu estava torcendo pelo vilão.

Voltando à questão título deste post...
Uma lenda conta, que existe de um clássico de fantasia oitentista que reúne o trabalho de Ridley Scott (Alien - O 8° Passageiro, Blade Runner), de um muito jovem Tom Cruise. Onde, então, futuro astro astro de Missão Impossível, salvaria unicórnios e a namorada de Ferris Bueller de um dos melhores diabões do cinema, que outrora encarnara o cientista louco, travesti e transexual chamado Dr. Frank-N-Furter

Dizem que há quem ame, e quem odeie essa tal A Lenda, depende de quem você era ao se deparar com ela. Mas é apenas o que dizem, e você? O que acha?

2 comentários:

renatocinema disse...

Eu não acho, tenho certeza, que fui feliz ao pular essa obra. kkkk

Detalhe: amo fantasias, estilo Labirinto e derivados. Essa porém, nunca me atraiu.


Abraços

Fabiane Bastos disse...

Este filme está quase na categoria "é tão ruim que é bom" Renato! Mas assistir na infância (de preferencia na sessão da tarde dos anos 80/90) deveria produzir um efeito melhor nos expectadores, rs!

Ah! E aproveite, Labirinto é o filme desta semana \o/