3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

terça-feira, 20 de maio de 2014

Charles e Eric

Todo mundo já foi jovem. Mas, assim como é difícil imaginar nossos pais antes de nós, é tarefa complicada imaginar os líderes das duas maiores vertentes mutantes antes de efetivamente se tornarem Magneto e Professor X. É por ponto de vista, e consequentemente na relação entre esses futuros antagonistas, que X-Men - Primeira Classe acertadamente aposta. Mesmo porque o desfecho desses acontecimento é de conhecimento da grande maioria.

Enquanto crianças, Charles descobre, e acolhe, uma garotinha azul furtando comida em sua luxuosa cozinha, Eric enfrenta o campo de concentração, a perda dos pais, a descoberta e exploração de seus poderes. Estabelecida as bases das personalidades dos dois, resta ver como interagem.

O "estiloso" Sebastian Shawn  e Emma Frost
Eric (Michael Fassbender) está completamente focado em uma vingança obssessiva, e Charles (James McAvoy) acaba se tornar professor, e como todo jovem comemora, enche a cara e passa cantadas com fundo científico. Quando são, de uma forma ou de outra, recrutados pela CIA, e passa a procurar e recrutar outros como eles, teoricamente para entender e aprender a usar esses dons da melhor maneira possível. Em meio a tudo isso, ainda precisam proteger os pobres e desinformados humanos de uma possível terceira guerra mundial. Esta, é claro, causada por um mutante vilão "do mal",o estiloso Sebastian Shaw (Kevin Bacon). Ou você achava que não teria um?

O primeiro X-Team
São então recrutados os membros da primeira equipe de X-Men: Destrutor (Lucas Till), Fera (Nicholas Hoult), Banshee (Caleb Landry Jones), Darwin (Edi Gathegi) e Angel (Zoe Kravitz). Todos jovens, descobrindo seus poderes. Cabe aqui a recorrente temática de auto-aceitação, onde além de entender suas habilidades os jovens tem de aceitar que são diferentes e ter orgulho disso. Cabe a Mística (Jennifer Lawrence) o maior do desafios: aceitar sua natureza para poder alcançar seu potencial.

A humanidade ainda não tem conhecimento da existência de mutantes, mas a chegada do momento dessa descoberta é cada vez mais eminente. Diante do provável preconceito dos humanos "normais", qual caminho seguir? Buscar aceitação de forma pacifica, e paciente. Ou aceitar que a raça inferior é incapaz de aceita-los e reagir com ações mais "firmes"? Conhecendo o passado e as razões que levam Xavier e Magneto a ter ideias tão distintas da sociedade, somos levados a pensar: nenhuma das visões está errada.

A lá, que legal!
Apesar do incomum espaço para o desenvolvimento de bons personagens, este ainda é um filme de ação. As sequências de ação não apenas funcionam como, não desperdiçam poderes mutantes apenas para mostrar que o longa tem orçamento de sobra para efeitos especiais. Mesmo na cena onde os jovens recrutas exibem suas habilidades uns aos outros, há um objetivo além de "porque é legal".

Mas é legal! Divertido e inteligente, nos apresenta personagem que adoramos sob um novo ponto de vista, sem que odiemos essas novas versões. E ainda nos faz querer rever os três primeiros X-Men, sob o risco de redescobri-los com a adição desse ponto de vista. Quem diria que jovens inexperientes seriam capazes de tantas coisas? É todo mundo já foi jovem um dia. Mas os "garotos" de X-Men Primeira Classe, parecem bem mais engajados que nós!


Resenha publicada originalmente em Julho de 2011 no blog Ah! E por falar nisso...

0 comentários: