3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Curiosidades de "A Doce Vida"

O cineasta italiano Pier Paolo Pasolini colaborou com o roteiro. Ele e Fellini eram amigos.

A cineasta Lina Wertmüller, que ficou conhecida por filmes como "Pasqualino Sete Belezas" e "Tieta" foi assistente de Federico Fellini aqui e em Oito e Meio (1963).

O filme não foi lançado em Espanha até 1981 por causa da censura moral.


O partido católico italiano Democrazia Cristiana eo Vaticano eram profundamente contra este filme por retratar a cidade de Roma e sua aristocracia viciosa (que é historicamente muito próxima da Igreja). Um artigo contra o filme, "La schifosa vita" (A vida imunda) provavelmente foi escrito por Oscar Luigi Scalfaro, em 1992, o Presidente da República.

Na "festa dos nobres" alguns dos garçons eram aristocratas verdadeiros. A modelo e cantora Nico interpreta a si própria nesta cena.

Na cena do clube romano de estilo antigo, na qual Marcello faz sua primeira investida em "Sylvia" (Anita Ekberg), aparece Adriano Celentano, que anos mais tarde se tornou famoso na Itália como cantor e ator.

A famosa cena na Fonte de Trevi foi filmada em março, quando as noites ainda estavam frias. De acordo com Federico Fellini (em uma entrevista com Costanzo Costantini), Anita Ekberg estava na água fria em seu vestido durante horas sem nenhum problema. Marcello Mastroianni, por outro lado, teve que usar uma roupa de mergulho debaixo de suas roupas, e mesmo isso não foi o suficiente. Ainda congelando, bebeu uma garrafa inteira de vodka, de modo que ele estava completamente bêbado durante a filmagem da cena.

Quando filmava a famosa cena da Fontana di Trevi, diretor Federico Fellini reclamou que a água na fonte parecia suja. Um representante da Scandinavian Airlines System (SAS) presente na filmagem forneceu à equipe do filme com alguns corantes verde mar da companhia aérea (para uso em caso de um pouso de emergência no mar). Isto foi usado para colorir a água, e o diretor ficou satisfeito.

O filme divulgou o termo "paparazzo". Inspirado pelo fotógrafo amigo de Marcello, Paparazzo. Federico Fellini tomou o nome de "Paparazzo", como explicou em uma entrevista mais tarde, a partir do nome de alguém que ele conheceu na Calábria (sul da Itália), onde nomes gregos ainda são comuns. "Paparazzi" é o significado plural.

Parece que a expressão "paparazzo" foi cunhado pelo próprio Federico Fellini. Paparazzo significa "pardal" em um dialeto italiano (em uso normal do italiano para "pardal" é "passero"). Fellini explicou que os fotógrafos pulando e correndo em torno de celebridades lembrou de pardais.

Uma das maiores sequências do filme, sobre o relacionamento de Marcello com uma velha escritora que vivia em uma torre e que seria interpretada pela atriz Luise Rainer, foi cortada do filme após uma série de problemas entre Rainer e Fellini. Ela reagiu furiosamente dizendo que: "havia estragado uma peça de roupa caríssima para vestir uma personagem que nunca existiria!".

0 comentários: