3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Maze Runner - Prova de fogo

Maze runner - Prova de fogo (Maze runner - The scorch trial, 2015) começa exatamente onde o primeiro filme termina: com os sobreviventes saindo do labirinto escoltados por uma força policial que eles desconhecem e sendo levados a um local seguro - se você não lembra como o outro filme terminou, sugiro rever Maze Runner antes de ir ao cinema. O tal local é uma espécie de base militar, onde os jovens são acolhidos e passam por uma série de exames médicos e físicos. Lá são recebidos por Logan (Aidan Gillen, a.k.a. Mindinho) que é o encarregado pelo lugar e pelos recolhidos. Há outros jovens na base, todos fugidos de outros labirintos. Logan chama Thomas (Dylan O'Brien) para conversar, quer saber como foi que saíram do labirinto. Durante a conversa, o rapaz desconfia de que há alguma coisa errada.

 Desde o início, Theresa (Kaya Scodelario) é separada do grupo, restando a Thomas, Newt ( Thomas Brodie-Sangster , a.k.a. filho do Colin Firth em Nanny McPhee e amigo do Bran Stark), Caçarola (Dexter Darden) e Minho (Ki Hong Lee) tentarem ficar juntos. Logo dois novos garotos se unem a eles, sendo que Aris (Jacob Lofland) é conhecido por ser o esquisito do lugar. É ele quem mostra a Thomas o que ele sabe: passando pelos dutos de ventilação, ele descobriu que os jovens selecionados para "uma nova vida" pareciam servir de cobaias para algum experimento científico. Sabendo o que faziam na CRUEL, e depois de ver uma ligação de Logan com a presidente Paige (Patricia Clarkson), descobrindo que ela forjou sua morte e sem saber quantas mentiras mais ela contou, Thomas decide que não dá mais para esperar.

O grupo decide fugir. Procuram desesperadamente por Theresa e uma rota de fuga. Ao saírem, o aviso: era bem provável que não sobrevivessem no deserto. Além de não saberem para onde estavam indo e tendo apenas a esperança de encontrar um grupo de resistência denominado Braço Direito escondido nas montanhas, os jovens encontram um esconderijo em meio à fuga desesperada. O local está bastante destruído, mas parece ter sido habitado antes, há água potável e algumas roupas - e mais coisas estranhas escondidas nas sombras.

A fuga para as montanhas continua, mas o deserto é cruel. Quando já estavam desistindo de continuar, um sinal de esperança. Luzes ao longe prometem abrigo contra a furiosa tempestade de raios que ameaça desabar sobre o grupo, que está completamente desprotegido no deserto. Mas o que encontram no local não é bem o que esperavam.


Devo confessar que essa segunda parte da saga não me empolgou tanto quanto a primeira. Talvez porque o filme perca muito tempo na correria dos fugitivos - ok, precisa haver correria, mas há detalhes interessantes sobre a história num todo que perdem espaço para cenas de perseguição. Há dois elementos interessantes nesse contexto, a ligação de Thomas com a nova garota Brenda (Rosa Salazar ) e a decisão de Theresa que vai mudar o rumo das coisas. 

Além disso, há muitas coisas que soam muito parecidas com outras, como se a referência de onde foi sugada não tivesse sido bem digerida. Além disso, os fãs vão reparar mais no elenco de Game of Thrones "embutido" ali - e só isso já é distração suficiente. E existem erros de lógica bastante incompreensíveis, que, se não afetam a estória, incomodam bastante.

Se no primeiro há a dúvida de o que é o labirinto e como se faz para sair dali, o segundo não consegue manter o mesmo clima de tensão e a sensação que fica é que se está correndo em círculos - e não no sentido bom que poderia ter, já que estamos falando de se tentar fugir de um labirinto ainda maior, além do plano físico. A gente cansa de correr com os jovens até porque as soluções são sempre previsíveis. Embora o gancho para o terceiro longa seja interessante, não sei se garante aos não-fãs da saga literária a vontade de continuar acompanhando a fuga de Thomas.


Leia a resenha de Maze Runner - Correr ou Morrer

0 comentários: