Home » , » Triste e forte

Triste e forte

Essas duas palavras definem muita coisa nesse longa de Steven Spilberg. A jornada das duas irmãs, Nettie e Celie, não foi fácil. Mulheres, negras, pobres. Início do século XX, interior dos EUA, comunidade cristã fervorosa. Todos esses elementos juntos formam o inferno pessoal de Celie, e nós somos testeminhas silenciosas desse sofrimento. Narrado pela ótica da vítima, a gente sente um pouco da impotência que ela viveu.

Celie (Desreta Jackson, e depois Whoopi Goldberg) e Nettie (Akosua Busia) são irmãs. Rlas brincam em um campo de flores, como duas irmãs pré-adolescentes camponesas brincariam. Ao serem chamadas pelo pai, a surpresa. Celie está em estágio avançado de gravidez, e mesmo assim é maltratada pelo pai. Ao ter a filha, com a ajuda da irmã, logo ela é separada de sua neném. O pai a venderia para o reverendo, que não podia ter filhos. E vem aí a primeira pedrada em nós, telespectadores.

Em sua oração pra Deus, Nettie se pergunta o que será de sua filha, se teve o mesmo destino de seu outro filho. E ambos eram do mesmo pai. Seu próprio pai. A inocência da jovem é tocante, e seu conformismo nada tem a ver com covardia. Tem a ver com sobrevivência.

Sabendo que seu pai já está de olho na irmã mais nova, ela se preocupa em protegê-la. Não quer que Nettie sofra o que ela passou. Mas quando um homem demonstra interesse por Nettie, o pai a negocia em troca. Seu ciúme e possessividade sacramentaram o inferno de Celie. O senhor Johnson (Danny Glover, maravilhosamente nojento e asqueroso) aceita a negociação pois tem três filhos endiabrados em casa e nenhuma mulher para cuidar deles.

Nettie deixa um pai abusivo e cai nas mãos de um homem cruel e desdenhoso, que a trata pior que a uma empregada. Os filhos dele não são melhores, e Nettie só faz sobreviver. Um pouco de cor chega à sua vida quando sua irmã vem fugida para morar com ela, temendo o que o pai lhe faria. Mesmo que seu cunhado também a desejasse, ao menos as irmãs estariam juntas.

Nettie ensinou Celie a ler, pois planejava fugir e escrever-lhe cartas, mas os planos foram por água abaixo quando Nettie conseguiu se livrar de um estupro. Irado com a recusa da garota, Johnson a expulsa de casa, separando as irmãs. Nettie vai embora, e lhe promete escrever todos os dias. Johnson a proíbe de pegar as cartas a partir daquele dia, e então esconde dela todas as cartas que Nettie viria a enviar.

Isolada, sem ter por perto a única pessoa que a amava, Celie se resigna a apenas sobreviver. Os anos passam e Celie continua na mesma vida miserável. O marido a ignora quando lhe convém, e lhe cobra por todas coisas que ela deveria fazer melhor. Como se fosse pouca coisa. Empolgado porque sua amada viria para a cidade, uma corista chamada Shug Avery (Margaret Avery), ele pouco se importa em esconder seus sentimentos por outra que não a sua esposa. O filho mais velho acabou por engravidar uma jovem, Sophia (Oprah Winfrey, maravilhosa), que o faria de gato-e-sapato. Contrariando o pai, ele se casa com ela, mas sua vida não é fácil por um motivo: Sophia não se diminui perante um homem, nem mesmo seu marido.

A personalidade forte de Sophia contrasta com a opressão que moldou Celie. Enquanto ela fica para cuidar das duas casas, a de seu marido e a de seu enteado, Sophia vai embora com os três filhos depois que se cansa de apanhar (e bater) do marido. Johnson ainda arruma mais uma para Celie: depois de trazer Shug para casa, para viver com a mulher que realmente queria, esta tem que ver outra ficar com eu marido, tomar o lugar de dona da casa, ver Johnson (que ela descobre e chamar Albert, já que ela só o chamava de "senhor") tentar cuidar dela como nunca tentou fazer nada na vida. Apreciar o pequeno prazer de Celie ao ver o marido tentando fazer um café da manhã foi compartilhar com ela daquela alegria.

A vida ainda guardava algumas surpresas para as Celie, Sophia e Shug. As palavras "forte" e "triste" me voltam à mente, e se intercalam em diferentes significados nas vidas dessas três mulheres. É importante ver (ou rever, se for o caso) esse filme de vez em quando para perceber o qua to evoluímos - ou não - na questão da mulher. Celie passou a vida sendo tratada e se sentindo como uma coisa qualquer, indigna de ser feliz, apenas aprendendo a sobreviver. Resistência ela tinha, só faltava o incentivo certo para que se libertasse. E é lindo ver que não precisa de muito para que ela se sinta forte o suficiente para abandonar toda a tristeza que a consumia. Celie tem notícias da irmã e de seus filhos, e então ela se dá conta de que ainda está viva. E se ela resistiu a tudo aquilo, ela agora merece viver.

Se você já se emocionou com outros projetos de Spilberg sabe o que esperar. A forma como a estória se desenrola, o carinho dedicado à Celie, a força das ações que dizem muito por si próprias. A gente testemunha tudo, chora junto, vibra junto. Um filme forte e triste, que fala de esperança, de perseverança. Atuações pra lá de espetaculares e uma mensagem poderosa de que não há vergonha em sobreviver, nem que há tempo certo para se rebelar. Um filme forte que me conquistou, e foi mais um aprendizado nesse ano tão conturbado.

0 comentários:

Meses temáticos!

Confira nosso catálogo de críticas e curiosidades completo, distribuído em listas e meses temáticos.

Lista de 2015 Lista de 2010
Meses temáticos
2014 2013 2012 2011
Trilogia Millenium Ficção-cientifica Pioneiros De Volta para o Futuro
Meryl Streep e o Oscar Broadway Brasileiros no Oscar Liz Taylor
Fantasias dos anos 80 Realeza Tarantino Filmes de "mulherzinha"
Pé na estrada Scorcese Chaplin Stephen King
Mês Mutante Off-Disney Filmes de guerra Noivas
Mês do Futebol Mês do Terror Agatha Christie Genny Kelly
Mês Depp+Burton Shakespeare HQs Harry Potter
Cinebiografias Pequenos Notáveis Divas Almodovar
Robin Williams Mês do Rock Woody Allen Remakes
Mês das Bruxas Alfred Hitchcock Rei Arthur Vampiros
Humor Britânico John Wayne John Hughes Elvis
Mês O Hobbit Contos de Fadas Apocalipse O Senhor dos Anéis

Especial do momento

Mulan

As definições do projeto para formar cinéfilas melhores foram atualizadas

Agora nos dedicamos a um filme por mês, sem deixar de lado as críticas dos lançamentos no cinema. Venha com a gente descobrir curiosidades dos nossos especiais e se atualizar das estreias nas telonas!

Receba por e-mail

Gêneros

Resenhas (771) Drama (235) Lançamentos (136) Ficção científica (109) Aventura (102) Comédia (76) Musical (52) Terror (47) Ação (46) Fantasia (36) Animação (29) Comédia romântica (25) Épico (24) Faroeste (22) Biografia (21) Thriller (7)

Arquivo do blog

Google+ Followers

Seja parceiro

Descubra como!
 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates