3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

quarta-feira, 15 de junho de 2016

As Tartarugas Ninja - Fora das sombras

As Tartarugas Ninja - Fora das sombras (The Teenage Mutant Ninja Turtles - Out of Shadows, 2016) tem todos os ingredientes para agradar aos jovens e aos fãs do desenho da Nickelodeon. Mas se você é fã do desenho antigo pode estranhar a imaturidade das tartarugas mutantes: o título traduzido ocultou a palavra "adolescentes" e essa é a chave pra entender o longa. Ainda aprendendo a lidar com suas diferentes personalidades, eles serão obrigados a compreender o que realmente significa trabalhar em equipe.
Apesar de terem conseguido impedir o plano do vilão Destrutor (Brian Tee) no longa anterior e levá-lo à justiça com a ajuda de April O'neil (Megan Fox) e Vern Fenwick (Will Arnett), Leonardo (Pete Ploszek e Johnny Knoxville, respectivamente movimentos e voz), Michelangelo (Noel Fisher), Raphael (Alan Ritchson) e Donatello (Jeremy Howard) continuam vivendo nas sombras: afinal, o que seria deles se a população soubesse da existência de tartarugas ninja mutantes vivendo nos esgotos? Mesmo satisfeitos com seu sucesso na empreitada, a impossibilidade de fazer as mesmas coisas que qualquer jovem - como assistir a um jogo de basquete ou andar pelas ruas em plena luz do dia - abala a confiança dos jovens tartarugas.

Apesar disso, quando April descobre que um inteligentíssimo cientista tem planos de resgatar Destrutor durante a transferência da prisão, eles entram em ação. Mesmo com os novos "brinquedinhos" de Donnie, não conseguem impedir que o Clã dos Pés completasse o resgate. Com a ajuda do doutor Dr. Baxter Stockman (Tyler Perry), um teletransporte foi usado na fuga.
Impressionado com o que viu e responsável pela entrega dos prisioneiros, o policial Casey Jones (Stephen Amell, o Arqueiro Verde da série Arrow) não é levado à sério pela chefe de polícia Rebecca Vincent (Laura Linney) por conta de sua empolgação e descrição do acontecido. Para ela - e para qualquer outra pessoa - seria um pouco difícil de acreditar em um caminhão de lixo que tem nunchakus gigantes e atirador de tampas de bueiros. Mas se ele não pode ir atrás do vilão abduzido, ele pode tentar rastrear os outro dois prisioneiros idiotas que o acompanhavam: Beebop (Gary Anthony Williams) e Rocksteady (Stephen "Sheamus" Farrelly).

Os planos de Baxter não foram tão bem sucedidos: Destrutor fora interceptado por Krang (Brad H. Gerstenfeld) enquanto era teletransportado e descobre que há muito mais que ele pode fazer: se ajudar Krang a trazer para a Terra as outras peças de seu Tecnodromo, toda a raça humana poderá ser eliminada. Precisando de ajuda para destruir os únicos capazes de impedir o sucesso do plano, Destrutor recruta novos capangas para garantir que ninguém vá atrapalhar.

É quando O'Neil busca evidências do envolvimento do doutor Baxter nos planos de Destrutor e Jones descobre como encontrar os dois fugitivos que os caminhos deles se cruzam, e logo as Tartarugas Ninja são chamadas de volta à ação. Mas como defender o mundo da aniquilação se eles só podem se mover pelas sombras, sem alardear a sua própria existência?

É esse o dilema central do longa, que lida muito bem com o pesado drama pessoal das tartarugas e equilibra cenas de ação de tirar o fôlego e alívio cômico ao melhor estilo do clássico desenho animado. O ritmo ágil, de ação quase ininterrupta, encontra brechas importantes para a reflexão sobre preconceito, auto-aceitação, valores familiares, lealdade e respeito. Como os melhores desenhos, funciona como um entretenimento que vai além da pipoca.

Os efeitos especiais são muito bem feitos, especialmente quando se encontram os atores humanos e as tartarugas humanóides 100% digitais na mesma cena. As cenas de ação são super movimentadas (talvez até em excesso), mas o 3D da produção funciona. Os vilões animalescos são divertidos, e o supervilão Krang é supernojento também, mas os outros personagens parecem um tanto perdidos em cena - especialmente o aspirante a detetive Jones. Mas nada é tão grave que impeça o sucesso do filme.
É muito provável que o público que adorou o primeiro longa vá gostar dessa nova aventura das tartarugas mais amadas do mundo nerd. O Brasil recebeu menção honrosa (e cenas gravadas na nossa Floresta Amazônica) talvez pelo enorme sucesso que o predecessor fez por aqui - e se depender de apoio brazuca para mais uma continuação, podemos esperar um terceiro filme por aí. Pipoca de primeira.

0 comentários: