Home » , , , , , » Rei Arthur - A lenda da espada

Rei Arthur - A lenda da espada


Esqueça tudo o que você sabe sobre o lendário rei bretão que tirou uma espada de uma pedra e tornou-se o rei mais famoso da História (embora seja bem provável que ele nem tenha sido rei, se realmente existiu). Rei Arhtur - A lenda da Espada (King Arthur, 2017) resolveu brincar com a lenda e criar uma nova gênese para o mito.

Com o reino sendo invadido por um grande feiticeiro maligno (e criaturas sinistras magicamente dominadas por ele) e que já havia destruído todos os outros reinos por onde passara, o rei * (Eric Bana) precisa ir a extremos para defender seu povo e sua família. Arriscando a própria vida, usa apenas a coragem e a mágica espada Excalibur para eliminar a ameaça. Tendo derrotado o inimigo, ele achava que conseguiria trazer paz a seu povo. Mas não foi bem isso o que aconteceu depois.

O irmão do rei, Mordred (Jude Law), parece insatiafeito com o desejo de paz do irmão. Acaba tramando contra o rei - que ainda tenta fugir, mas pouco pôde fazer contra um inimigo ainda mais poderoso que o feiticeiro. O bebê é o único que sobrevive, e acaba sendo criado por prostitutas na parte pobre do reino. E é lá que Arthur (Charlie Hunam) cresce e aprende tudo sobre sobrevivência. 

Alheio aos mandos e desmandos do rei, só quer saber de manter suas meninas a salvo. Porém, quando a maré baixa milagrosamente e deixa a espada encravada na pedra exposta, os dados do destino começam a rolar. O rei Mordred sabe do poder da espada, e que o herdeiro dela pode ser o único a impedir suas ambições. Todos os homens agora serão testados até que seu sobrinho se revele - e ele possa finalmente se livrar da competição. Mas Arthur não está sozinho contra a fúria do rei: seus amigos e outras ajudas inesperadas vão levá-lo a um encontro com a verdade e a magia.

A produção caprichada e repleta de efeitos especiais tem defeitos muito gritantes, mas uma coisa se sobressaiu dessa confusão de ideias equivocadas: desde o início fica claro para o espectador que o longa é uma grande brincadeira com a lenda. Portanto, se você não estiver esperando uma versão fiel da lenda vai conseguir se divertir. O diretor Guy Ritchie já provou que gosta do estilo ação ininterrupta e cenas épicas de batalha em slow motion (basta ver seus filmes de Sherlock Holmes com Robert Downey Jr. e Jude Law nos papeis principais pra ter uma noção), então abrace a loucura e divirta-se com elas. Sério, não tente levar o filme a sério.

Fahas graves no roteiro deixam muitos pontos sem nó, e o uso da magia fica barbaramente comprometido: sabe aquele "mas se podia fazer isso tudo, por quê não fez antes?!" que irrita a gente? Tem aos montes. Isso sem falar que a maga (que nem nome tem, coitada) é uma mistura de Merlin e Morgana que não deu certo, mas tá lá porque... Bem, ainda não sei. Achei que seria o par romântico do Arthur, mas nem isso ficou resolvido. Aliás, as mulheres nesse filme mal servem para os papeis de intrigueiras e beldades que geralmente filmes de guerra reservam para personagens femininas. Simplesmente parece que não sabem o que fazer com a mulheres. Muito estranho.

Soluções previsíveis acabam arruinando algumas imagens muito bonitas produzidas, além do excesso de efeitos especiais: às vezes a confusão é tanta, com fumaça e poeira, que nem dá pra ver os golpes em slow motion. O elenco também deixa muito a desejar - o único que eu gostei atuando foi Bana, em sua micro (e esquisita) participação. 

Como disse, procure esquecer isso e se divertir - até porque tem coisa à beça pra isso. Desde piadinhas bem colocadas ao tom de novela mexicana que a produção toma de vez em quando, é bem divertido - e creio que tenha sido intencional. Pessoalmente, adorei reconhecer Aidan Gillen (de Game of Thrones) no elenco e brincar de ficar de olho nele esperando o momento em que ele trairá o rei - uma vez Mindinho, sempre Mindinho, né?. No fim, Rei Arthur - A lenda da espada é uma diversão esquecível que pode irritar aos mais fervorosos fãs da lenda original. Eu escolhi me divertir e tomar um sorvete depois.

1 comentários:

Fernanda Andrade disse...

Não foi o melhor do ano passado, mas foi um filme passável. Eu ouso resgatar o desempenho de Jude Law filmes neste filme. Lembro dos seus papeis iniciais, em comparação com os seus filmes atuais, e vejo muita evolução, mostra personagens com maior seguridade e que enchem de emoções ao expectador. Desfrutei muito deste filme pelo bom enredo e narrativa.

Meses temáticos!

Confira nosso catálogo de críticas e curiosidades completo, distribuído em listas e meses temáticos.

Lista de 2015 Lista de 2010
Meses temáticos
2014 2013 2012 2011
Trilogia Millenium Ficção-cientifica Pioneiros De Volta para o Futuro
Meryl Streep e o Oscar Broadway Brasileiros no Oscar Liz Taylor
Fantasias dos anos 80 Realeza Tarantino Filmes de "mulherzinha"
Pé na estrada Scorcese Chaplin Stephen King
Mês Mutante Off-Disney Filmes de guerra Noivas
Mês do Futebol Mês do Terror Agatha Christie Genny Kelly
Mês Depp+Burton Shakespeare HQs Harry Potter
Cinebiografias Pequenos Notáveis Divas Almodovar
Robin Williams Mês do Rock Woody Allen Remakes
Mês das Bruxas Alfred Hitchcock Rei Arthur Vampiros
Humor Britânico John Wayne John Hughes Elvis
Mês O Hobbit Contos de Fadas Apocalipse O Senhor dos Anéis

Especial do momento

Mulan

As definições do projeto para formar cinéfilas melhores foram atualizadas

Agora nos dedicamos a um filme por mês, sem deixar de lado as críticas dos lançamentos no cinema. Venha com a gente descobrir curiosidades dos nossos especiais e se atualizar das estreias nas telonas!

Receba por e-mail

Gêneros

Resenhas (774) Drama (235) Lançamentos (139) Ficção científica (109) Aventura (103) Comédia (76) Musical (52) Ação (48) Terror (47) Fantasia (37) Animação (29) Comédia romântica (25) Épico (24) Faroeste (22) Biografia (21) Thriller (7)

Arquivo do blog

Google+ Followers

Seja parceiro

Descubra como!
 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates