Acrimônia



Não se deixe enganar pela sinopse de Acrimônia (Acrimony, 2018): o filme não é o que parece – e isso não foi um elogio. A princípio, o longa de Tyler Perry (de Garota Exemplar, 2014) se propõe a contar a história de uma mulher que busca justiça de forma implacável, porém essa premissa é para disfarçar o que deveria ser uma grande reviravolta. O problema é que desde o princípio fica claro o que nos aguarda, sem haver nenhuma surpresa no caminho.

Melinda (Henson) já no tribunal: o começo do fim
A história começa com Melinda (Taraji P. Henson, em atuação bastante over) sendo condenada a uma sentença de restrição de distância e sessões de terapia para controle da raiva. E é nessa sessão obrigatória, onde é levada a narrar os acontecimentos que a levaram até ali, que mergulhamos em um longo flashback, onde ela diz que seus problemas começaram ao conhecer um jovem que viria a se tornar seu marido – e, posteriormente, seu ex. Robert (Antonio Madison quando jovem e Lyriq Bent na fase adulta) é um estudante de engenharia com um projeto revolucionário, que dedica sua vida aos estudos e se apaixona pela impetuosa jovem (nessa fase, interpretada por Ajiona Alexus) ainda na faculdade. O namoro começa com problemas, pois as irmãs mais velhas dela se opõem a ele por achar que ele só se interessa na grana que ela herdou.

Contra tudo e todos, o namoro deles continua e evolui para um casamento. Mas a vida não é o mar de rosas que eles esperavam: quando a vida começa a cobrar suas contas e a paixão dá lugar à desconfiança, a paciência se esvai mais rápido que o dinheiro. Com o relacionamento em um constante tique-taque de uma bomba-relógio prestes a explodir, basta que uma mulher reapareça na vida do casal para que o inevitável aconteça.

Robert (Bent): fica evidente que ele é a vítima
Esse é um dos maiores problemas do longa: nada do que acontece é surpresa, nem mesmo a suposta reviravolta do fim. O viés encontrado pelo diretor Tyler Perry para narrar a vida de Melinda é bastante equivocado – ele desconstrói a personagem através de uma paranóia crescente, porém a narração emocionada da protagonista ao olhar seu passado incomoda mais do que acrescenta. Pior, ajuda a criar antipatia pela personagem, que claramente não vê o passado pelo filtro correto.

A jovem Melinda é retratada como uma mulher mimada e alienada, irascível e manipulada pelas irmãs mais velhas. O marido, no entanto, é quase um santo – mesmo a tendo traído quando ainda eram namorados e tendo, por anos, usufruído do dinheiro que ela tinha para se dedicar a um projeto fracassado. O desequilíbrio entre os personagens é ressaltado inclusive pela diferença do tom de atuação de Henson e Bent: enquanto ela está caricata, assim como o estereótipo de ex-mulher louca e vingativa a que Melinda se resume, ele é tranqüilo e carismático em cena. No fim, ele é o verdadeiro herói da história – e esse suposta virada na estória jamais acontece justamente porque não há apego emocional com  a protagonista.

As mulheres da família de Melinda são extremamente controladoras: apenas estereótipos
Os clichês de gênero também são mal explorados. As mulheres da família, principalmente, são retratadas como loucas e manipuladoras, enquanto os homens são reféns delas. As irmãs são mostradas como uma única massa controladora, que têm Melinda na palma das mãos com chantagens e maledicências além de serem interesseiras e dominadoras de seus maridos; enquanto Robert sofre com a pressão das cunhadas e o desprezo da mulher que ama. O ponto fora da curva é Diana (Crystle Stewart), uma mulher de negócios que parece uma modelo de passarela – e fora do padrão “normal” das outras mulheres da trama. Totalmente desnecessário. 

Os atos, divididos por letreiros com palavras que determinam o tom da próxima etapa na descida ao inferno de Melinda, são mal distribuídos, perdendo-se muito tempo no flashback improdutivo e atropelando-se na parte final com soluções apressadas para desencadear a reação final. Acrimônia poderia ter sido um bom filme de Suspense, mas se perde ao tentar ser um Thriller Psicológico de viés estereotipado e nada inovador.

0 comentários:

Meses temáticos!

Confira nosso catálogo de críticas e curiosidades completo, distribuído em listas e meses temáticos.

Lista de 2015 Lista de 2010
Meses temáticos
2014 2013 2012 2011
Trilogia Millenium Ficção-cientifica Pioneiros De Volta para o Futuro
Meryl Streep e o Oscar Broadway Brasileiros no Oscar Liz Taylor
Fantasias dos anos 80 Realeza Tarantino Filmes de "mulherzinha"
Pé na estrada Scorcese Chaplin Stephen King
Mês Mutante Off-Disney Filmes de guerra Noivas
Mês do Futebol Mês do Terror Agatha Christie Genny Kelly
Mês Depp+Burton Shakespeare HQs Harry Potter
Cinebiografias Pequenos Notáveis Divas Almodovar
Robin Williams Mês do Rock Woody Allen Remakes
Mês das Bruxas Alfred Hitchcock Rei Arthur Vampiros
Humor Britânico John Wayne John Hughes Elvis
Mês O Hobbit Contos de Fadas Apocalipse O Senhor dos Anéis

Especial do mês

Mulan

As definições do projeto para formar cinéfilas melhores foram atualizadas

Agora nos dedicamos a um filme por mês, sem deixar de lado as críticas dos lançamentos no cinema. Venha com a gente descobrir curiosidades dos nossos especiais e se atualizar das estreias nas telonas!

Receba por e-mail

Gêneros

Resenhas (765) Drama (235) Lançamentos (130) Ficção científica (109) Aventura (102) Comédia (76) Musical (51) Terror (46) Ação (45) Fantasia (36) Animação (28) Comédia romântica (24) Épico (24) Faroeste (22) Biografia (21) Thriller (6)

Arquivo do blog

Google+ Followers

Seja parceiro

Descubra como!
 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates