A Favorita


A Favorita (The Favourite, 2019) retrata uma figura histórica pouco retratada da realeza inglesa: a rainha Anne, que governou a Grã-Bretanha no início do século 18. Em um período conturbado, com a ameaça jacobita na ilha (irlandeses queriam se desligar do império britânico e se tornar independentes) e a invasão da França em apoio à Espanha ocorrendo no continente, a rainha Anne ainda tinha que lidar com a saúde extremamente frágil e a luta por influências no parlamento. É esse trecho da História, contada pelo viés das possíveis duas amantes da rainha, o pano de fundo onde se desenvolve a trama do filme.

Abigail (Stone) chega ao palácio: tudo o que havia perdido estava de novo ao alcance da mão
Abigail (Emma Stone) é uma jovem rica que caiu de posição na sociedade. Ela busca apoio na prima de seu pai, a influente Lady Sarah Marlborough (Rachel Weiz) - esposa do Conde de Marlborough (Mark Gatiss), comandante do exército inglês - e amiga da própria rainha Anne (Olivia Colman, fabulosa). Ali ela consegue um emprego como criada do palácio, mas a jovem é inteligente e ambiciosa e não vai sossegar enquanto não conseguir reaver seu status.

Lady Sarah (Weisz) explora a amizade com a rainha Anne (Colman), embora haja verdade no sentimento entre as duas
Enquanto isso, Lady Sarah usa de toda sua influência sobre a rainha para comandar: além de controlar as finanças do castelo e a rotina da rainha, ela se auto-intitula porta-voz da mesma, participando de reuniões políticas e orientando as decisões da soberana para favorecer a si e ao marido em campo de batalha, o que irritava bastante a Robert Harley (Nicholas Hoult), presidente da Câmara dos Comuns - e que tentava, sem sucesso, alertar à rainha sobre os gastos absurdos da guerra infrutífera que Sarah a estava convencendo a sustentar. Anne, adoentada e nem sempre lúcida, dependia da amiga e amante Sarah mais do que os súditos poderiam imaginar - porém Abigail estava disposta a se tornar a nova favorita da rainha.

Recorte delicado e interpretação maravilhosa de Olivia Colman
Embora os fatos reais para a rixa entre Sarah e Anne (que comprovadamente tinham um histórico de amizade forte e turbulenta) fossem motivações políticas nos relatos oficiais, é o romance entre elas e as consequências da intromissão de Abigail que desenham o roteiro de Deborah Davis e Tony McNamara. Mas é a frágil figura de Anne, e a magistral interpretação de Olivia Colman (que ganhou o Globo de Ouro de Melhor Atriz por este papel), que sustenta o filme. A história trágica dessa mulher, que sofre de gota, que perdeu 17 crianças ao longo da vida, que era retratada como fraca e manipulável (embora, historicamente, seu curto reinado tenha sido um dos mais sólidos e ela uma das monarcas mais ativas) emociona e sensibiliza.

Figurino, produção de arte e atuações extraordinárias das atrizes principais são o ponto forte
Esse é o grande mérito do diretor Yorgos Lanthimos: humaniza as três protagonistas e extrai grandes interpretações das atrizes. Anne não é apenas uma rainha medrosa e risível, Sarah não é uma mulher insensível, Abigail não é uma jovem e ingênua dama. Um trio poderoso, que usa as armas de que dispõem para se sobressair na corte, para serem respeitadas - porém, cada uma à sua maneira. Como um bom filme inglês, é um drama bem humorado, ácido e perspicaz, mas sobretudo é um Drama. Não espere situações de comédia em sequência, como muitos podem ser induzidos a pensar ao ler a classificação de gênero em alguns locais.

Uso da grande angular equivocado: não influencia no sentido da cena e causa incômodo
Com boa produção de arte e figurino, a fotografia deixa um pouco a desejar - sem realmente atrapalhar a experiência como um todo. Apenas é desnecessária a deformação da imagem em algumas tomadas, pois elas em nada acrescentam em significado à cena - porém, como não é tão recorrente ao longo do filme, incomoda sem prejudicar o resultado final. O final em si, termina em aberto e deixa margem para a especulação do espectador - e esse, sim, pode ser um problema. Por um lado, fica óbvia a relação estabelecida - mas o sentimento fica vago, perdido. Para mim, foi um pouco frustrante, pois poderia ter sido melhor realizado de outra forma e deixar mais claras as consequências. No entanto, A Favorita chega aos cinemas com essa característica da curiosidade histórica, o humor britânico e a maravilhosa interpretação de Olivia Colman - e só isso já vale o ingresso.

0 comentários:

Meses temáticos!

Confira nosso catálogo de críticas e curiosidades completo, distribuído em listas e meses temáticos.

Lista de 2015 Lista de 2010
Meses temáticos
2014 2013 2012 2011
Trilogia Millenium Ficção-cientifica Pioneiros De Volta para o Futuro
Meryl Streep e o Oscar Broadway Brasileiros no Oscar Liz Taylor
Fantasias dos anos 80 Realeza Tarantino Filmes de "mulherzinha"
Pé na estrada Scorcese Chaplin Stephen King
Mês Mutante Off-Disney Filmes de guerra Noivas
Mês do Futebol Mês do Terror Agatha Christie Genny Kelly
Mês Depp+Burton Shakespeare HQs Harry Potter
Cinebiografias Pequenos Notáveis Divas Almodovar
Robin Williams Mês do Rock Woody Allen Remakes
Mês das Bruxas Alfred Hitchcock Rei Arthur Vampiros
Humor Britânico John Wayne John Hughes Elvis
Mês O Hobbit Contos de Fadas Apocalipse O Senhor dos Anéis

Especial do momento

Mulan

As definições do projeto para formar cinéfilas melhores foram atualizadas

Agora nos dedicamos a um filme por mês, sem deixar de lado as críticas dos lançamentos no cinema. Venha com a gente descobrir curiosidades dos nossos especiais e se atualizar das estreias nas telonas!

Receba por e-mail

Gêneros

Resenhas (806) Drama (247) Lançamentos (171) Ficção científica (113) Aventura (108) Comédia (78) Ação (58) Musical (53) Terror (51) Fantasia (43) Animação (32) Biografia (27) Comédia romântica (25) Épico (24) Faroeste (22) Thriller (8)

Arquivo do blog

Seja parceiro

Descubra como!
 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates