Sobibor



Sobibor (Sobibor, 2019) é uma produção russa que lança um olhar para um fato histórico pouco disseminado: o único levante bem-sucedido ocorrido em um campo de concentração da Segunda Guerra Mundial. Baseado no fato, o drama explora os últimos dias da instalação a partir da chegada de alguns personagens ao local e o encontro com alguns resistentes. O horror e a crueldade se tornam combustível para a esperança e para as medidas mais desesperadas na luta pela sobrevivência. O filme foi o candidato da Rússia na categoria Melhor Filme Estrangeiro na edição do Oscar 2019 (não chegou a ser indicado).

O campo de Sobibór recebe mais um trem com prisioneiros. A maioria é consciente do perigo que é chegar ali, mas ainda há mulheres e crianças entre eles. Logo a triagem é feita, e aqueles que não são úteis são encaminhados às câmaras de gás. É assim que o filme começa, com uma brutal sutileza: uma queda brusca na realidade dura daqueles confinados. Aos poucos nos acostumamos com as línguas diferentes (são cinco os idiomas falados no filme: russo, alemão, polonês, holandês e iídiche) e os rostos do grupo principal de protagonistas. Apenas alguns vão permanecer conosco até o fim do longa.

Pechersky (Khabensky): o ex-oficial soviético que liderou a revolta
Nesse texto, eu vou me  propor a refletir sobre o impacto causado pelo filme, uma vez que a sinopse pode ser encontrada facilmente na internet e o panorama geral pode ser apreciado no trailler do filme. Baseado no livro de memórias de Alexander Pechersky, o oficial soviético que foi líder da revolta, o roteiro de Michael Edelstein, Anna Chernakova e Ilya Vasiliev consegue harmonizar com maestria dados recolhidos de pesquisas (inclusive com consultoria do instituto fundado por Pechersky para manter viva a história de luta em Sobibór) e drama ficcional, realçando o poder da união e da perseverança. Interpretando o papel principal, o ator e também diretor  do longa Konstantin Khabensky, imprime um olhar atento, como o de um verdadeiro soldado, às nuances determinantes para o sucesso da empreitada.

O que foi decisivo para que a fuga organizada por Pechersky fosse bem sucedida e as demais não? Esse parece ser o tom da narrativa, o olhar intrigado sobre esse fato. E a resposta parece simples: planejamento e organização. Apenas parece. Pechersky era um soldado sobrevivente de outra tentativa frustrada de fuga, e aprendeu com os erros - mais do que isso, aprendeu o que precisava observar para obter sucesso. E sua fama acendeu uma centelha de esperança aos que ali estavam: novas pessoas, ainda pouco castigadas/amedrontadas pela dura rotina de trabalho e punições, foram o início da operação. Ele podia organizar, mas aquelas pessoas não eram soldados, não foram treinadas para o combate. Elas só queriam uma chance de viver.

Execuções sumárias por tentativa de fuga: um dos muitos horrores mostrados no longa
Mas como conseguir organizar uma revolta e salvar a todos se eles mal conseguiam se comunicar entre si? Além das dificuldades para se reunirem (e sempre sob o medo de serem denunciados por alguém com medo de punições ou de serem pegos pelos vigias), muitos vinham de locais distantes e não falavam o idioma. A máquina continuava funcionando, mas Pechersky conseguia perceber os sinais de que ela não andava tão bem. As rotinas tem seu lado positivo, mas também torna quem a cumpre vulnerável, previsível. A arrogância e o menosprezo pela inteligência dos capturados fez dos oficiais alemães um alvo possível. O que faltava para tudo acontecer?

Oportunidade. A chance de pôr um plano em andamento. Era certo que, se algo desse errado, a vida de todos seria ceifada - de um jeito ou de outro. Portanto, não havia margem para a falha, e o que falhasse, tinha que ser consertado. Aqui temos o diferencial do filme: os pequenos atos de bravura que vão resultar no sucesso da operação são o cerne da narrativa. Tudo teria dado errado se uma daquelas peças não fizesse a engrenagem funcionar - e são muitas as vezes em que tudo quase foi por água abaixo. Muitos deram a vida para que a fuga acontecesse e sequer puderam atravessar o portão. Todos se arriscaram e poucos sobreviveram. É difícil, quase impossível, não se emocionar com cada drama, cada perda, cada vida ali representada.

 Karl Frenzel (Lambert) à frente dos soldados nazistas: atuou em inglês, mas foi dublado em russo
É interessante notar, também, que o longa não deixa de lançar um olhar humano também aos soldados. Não é algo que suavize o comportamento dos nazistas (até porque nada justifica o horror da guerra que eles criaram e dos campos de concentração), mas é interessante ver que Pechersky soube perceber nuances no comportamento deles que os revela não somente como máquinas de matar. A arrogância, a saudade de casa, a falta de um objetivo concreto para si: por mais sádicos que fossem, em algum momento eles foram homens comuns - e a guerra tomou algo deles também. Isso fica bem claro no personagem de Christopher Lambert (que interpretou em inglês, mas foi dublado em russo na edição final), o comandante do campo Karl Frenzel. Jamais saberemos se o verdadeiro homem teve seu momento catártico como ele, mas é importante que a cena em que relembra a esposa morta exista justamente para que possamos analisar a ótica torta pela qual ele se baseava.

Com atuações impactantes de todo o elenco, personagens cativantes e inspiradores, embalados em uma belíssima fotografia e produção (de cenário, figurino e maquiagem), a direção segura e perspicaz de Khabensky brilha, ressaltada pela ótima edição. Sem nos poupar dos horrores nem das dores, Sobibor não faz dessa sua bandeira: o objetivo de Pechersky em vida era de que aquela vitória não fosse esquecida, que aquelas pessoas fossem lembradas - e Khabensky conseguiu transformar a história em um filme memorável. Merecia mais indicações a prêmios internacionais do que conquistou. Vale a experiência, tão triste, sufocante e enriquecedora, que só o cinema é capaz de nos trazer.

0 comentários:

Meses temáticos!

Confira nosso catálogo de críticas e curiosidades completo, distribuído em listas e meses temáticos.

Lista de 2015 Lista de 2010
Meses temáticos
2014 2013 2012 2011
Trilogia Millenium Ficção-cientifica Pioneiros De Volta para o Futuro
Meryl Streep e o Oscar Broadway Brasileiros no Oscar Liz Taylor
Fantasias dos anos 80 Realeza Tarantino Filmes de "mulherzinha"
Pé na estrada Scorcese Chaplin Stephen King
Mês Mutante Off-Disney Filmes de guerra Noivas
Mês do Futebol Mês do Terror Agatha Christie Genny Kelly
Mês Depp+Burton Shakespeare HQs Harry Potter
Cinebiografias Pequenos Notáveis Divas Almodovar
Robin Williams Mês do Rock Woody Allen Remakes
Mês das Bruxas Alfred Hitchcock Rei Arthur Vampiros
Humor Britânico John Wayne John Hughes Elvis
Mês O Hobbit Contos de Fadas Apocalipse O Senhor dos Anéis

Especial do momento

Mulan

As definições do projeto para formar cinéfilas melhores foram atualizadas

Agora nos dedicamos a um filme por mês, sem deixar de lado as críticas dos lançamentos no cinema. Venha com a gente descobrir curiosidades dos nossos especiais e se atualizar das estreias nas telonas!

Receba por e-mail

Gêneros

Resenhas (793) Drama (242) Lançamentos (158) Ficção científica (111) Aventura (105) Comédia (78) Ação (53) Musical (52) Terror (50) Fantasia (39) Animação (31) Comédia romântica (25) Épico (24) Biografia (23) Faroeste (22) Thriller (8)

Arquivo do blog

Seja parceiro

Descubra como!
 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates