Hellboy


Eu tenho algumas - muitas - ressalvas quanto a essa nova versão de Hellboy (Hellboy, 2019), que chega aos cinemas nesta semana. Antes de tudo, é preciso dizer que eu não sou muito fã da primeira versão para o cinema do herói-demônio, mas o enfoque no lado humano e nas relações interpessoais do protagonista com seus companheiros (o verdadeiro foco do realizador Guillermo Del Toro) o tornaram interessante. Pensando que naquele faltava um pouco mais de ação, talvez eu gostasse mais dessa versão - mas não foi bem assim.

O vilão Von Krupt (Joe Harlow): cena já vista antes - mas, dessa vez, com esses efeitos estranhos
É impossível não fazer o comparativo aqui, e isso é um problemão para o longa de Neil Marshall: presume-se que o espectador já conhece o herói e seu universo, opta-se por uma história que é praticamente uma continuação - mas que contém algumas passagens quase idênticas às do primeiro filme (o que não faz desse um reboot nem uma continuação da saga), muitas cenas de ação e efeitos especiais tem um resultado final bem esquisito - nem bom, nem ruim, mas de gosto duvidoso. No saldo, o olhar mais compassivo de Del Toro para com as coisas incompreendidas e o roteiro melhor estruturado da primeira empreitada soam melhor do que esta nova aventura. Dito isto, vamos à análise da obra em si.

Nimue (Jovovich): a Rainha de Sangue foi traída e jurou retornar para destruir o mundo
A feiticeira Nimue (Mila Jovovich) tornou-se tão poderosa que virou uma ameaça ao reino de Arthur, na Inglaterra. Quando estava prestes a abrir os portões do inferno e liberar o caos no mundo em que governaria, Nimue foi traída: três bruxas irmãs, com a ajuda do mago Merlin (Brian Gleeson), conseguiram impedi-la. Mas a criatura não podia morrer: mesmo esquartejada, Nimue estava condenada a sobreviver. Seus pedaços foram guardados e separados, e protegidos por séculos - até que algo, ou alguém, viesse para remontá-la.

Hellboy (Harbour) chamado pra briga em ação no México: o começo da trama
Muitos anos depois, Hellboy (David Harbour) está investigando - por conta própria e contra as designações de seu departamento, o B.P.R.D. (Bureau de Pesquisa e Defesa Paranormal)  - o desaparecimento de um amigo. No México, ele descobre que o policial Ruiz (Mario de La Rosa) foi transformado em vampiro e acaba sendo obrigado a lutar contra ele. Ao fim da luta, Ruiz menciona algo que ele jamais tinha ouvido antes: "Anung Un Rama" e algo sobre uma profecia antiga. Sem compreender, e arrasado pela morte do amigo, o Vermelho não dá muita bola para aquelas últimas palavras e vai se embebedar até ser encontrado pela equipe de seu pai, o Professor Broom (Ian McShane).

Hellboy e seu pai humano, Prof. Broom (McShane): sem tempo para o luto
Broom sabe que o filho gostaria de um tempo para se recuperar, mas o tempo está contra eles. Uma divisão inglesa, parecida com a que eles fazem parte, precisa da ajuda de Hellboy para lidar com ataques de gigantes: três das monstruosas criaturas estão à solta no Reino Unido e precisam ser paradas antes que mais estragos aconteçam. Quando a ação começa, as coisas ficam muito ruins para o diabão - e ele vai precisar da ajuda de sua amiga Alice Monaghan (Sasha Lane), uma jovem e poderosa médium, e do misterioso Major Ben Daimio (Daniel Dae Kim), que aparentemente não vai muito com a cara dele. O trio então vai precisar ligar os pontos e descobrir como impedir Nimue de se remontar e cumprir sua promessa de destruir o mundo.

O Major Daimio (Kim) e Alice (Lane) vão ajudar o Vermelho a desvendar o mistério
A luta interna entre a humanidade e o lado bestial inegável em Hellboy é algo realmente fascinante e é boa parte da razão pelo qual a criatura de Mike Mignola tem fãs pelo mundo afora - porém esse não foi o caminho escolhido para retratar o personagem dessa vez. A primeira escolha ruim é justamente essa: focar no humor sarcástico e na ação. Ok, talvez fosse intencional para se distanciar do olhar "carinhoso" do projeto anterior, mas resultou num baita tiro no pé. Outra é presumir que o público já está a par do universo mostrado: apesar de ser um clássico dos quadrinhos, o Vermelho não é tão popular quanto outros super-heróis que estão inundando os cinemas recentemente. Para esse público em específico, pode ser meio complicado compreender a complexidade desse personagem e sua trajetória.

Muito pouco do universo de Hellboy é explicado, embora haja muitas referências para os fãs
Sem o enfoque no drama interno de Hellboy, nos sobra olhar para todo o resto - e o resto foi bem fraco. A começar pela falta de tato na ambientação para quem pegou o bonde andando: é perceptível que há muitos personagens e objetos importantes sendo apresentados a todo momento, mas a gente fica sem saber direito quem, como e porquê. Nimue, por exemplo, é uma personagem interessante por si só - como a maioria dos outros personagens que  o Vermelho enfrenta, foi inspirada na mitologia arthuriana, e nos quadrinhos é uma das maiores e mais perigosas vilãs do herói. No roteiro de Andrew Cosby, Nimue é apenas o gatilho para outra coisa e fica subjugada a uma participação mínima e repleta de CGI mal acabado. Para os não-iniciados, soa muito absurda a conexão de Hellboy e a lenda do Rei Arthur (mesmo que ela exista no universo dos quadrinhos). A existência e insinuação de outros grandes vilões diluem a importância de Nimue - e a aparição da Baba Yaga (Troy James/Emma Tate), outra grande vilã dele, é pura perda de tempo. Só serve para confundir a trama, encher linguiça e criar uma sequência risível de luta do diabão contra uma velha caquética e acrobata.

A bruxa russa Baba Yaga (James/State): despropositada e desperdiçada
Fora isso, incomoda muito o humor fora de hora, a maquiagem pobre e os efeitos grotescos. Se a intenção era dar um ar mais adulto, mais sombrio, e mais distante do clima fantasioso dos primeiros, ficou só meio ridículo e muito nojento. A não ser quando Hellboy se transforma e seus chifres crescem (a cena pode ser vista em posteres e traillers, portanto, não é um spoiler), criando uma figura imponente e diabólica, todo o resto não soa amedrontador ou espetacular. Os personagens secundários são subaproveitados, o protagonista não tem destaque devido, o efeito de ação/reação é apressado demais. Enfim, um desequilíbrio geral. 

O carisma do personagem e o esforço dos atores para trazer química ao trio são a melhor coisa do filme
O que salva Hellboy? Talvez o carisma do personagem, que David Harbour se esforçou para manter. Ele é rabugento, mas sensível. Um monstro, mas de grande coração. Desobediente, mas sempre disposto a fazer o que é certo - mesmo que seja o mais difícil. O espírito do anti-herói clássico exala do personagem e sobrevive, mesmo nessas condições. É preciso dizer também que há uma certa química entre o trio principal: Kim, Lane e Harbour parecem deslocados e unidos, exatamente como seria unir os três tipos tão diferentes entre si. Para mim, é provavelmente a única coisa que me faria ver uma sequência desse longa. Aliás, há duas cenas pós-créditos (espere até o fim) que nos fazem crer que essa possibilidade foi pensada. Há muito trabalho a ser feito se o projeto for adiante, mas o potencial é grande. Quem sabe uma consultoria com o Del Toro faria a diferença e traria o equilíbrio exato para a fórmula dar certo?

0 comentários:

Meses temáticos!

Confira nosso catálogo de críticas e curiosidades completo, distribuído em listas e meses temáticos.

Lista de 2015 Lista de 2010
Meses temáticos
2014 2013 2012 2011
Trilogia Millenium Ficção-cientifica Pioneiros De Volta para o Futuro
Meryl Streep e o Oscar Broadway Brasileiros no Oscar Liz Taylor
Fantasias dos anos 80 Realeza Tarantino Filmes de "mulherzinha"
Pé na estrada Scorcese Chaplin Stephen King
Mês Mutante Off-Disney Filmes de guerra Noivas
Mês do Futebol Mês do Terror Agatha Christie Genny Kelly
Mês Depp+Burton Shakespeare HQs Harry Potter
Cinebiografias Pequenos Notáveis Divas Almodovar
Robin Williams Mês do Rock Woody Allen Remakes
Mês das Bruxas Alfred Hitchcock Rei Arthur Vampiros
Humor Britânico John Wayne John Hughes Elvis
Mês O Hobbit Contos de Fadas Apocalipse O Senhor dos Anéis

Especial do momento

Mulan

As definições do projeto para formar cinéfilas melhores foram atualizadas

Agora nos dedicamos a um filme por mês, sem deixar de lado as críticas dos lançamentos no cinema. Venha com a gente descobrir curiosidades dos nossos especiais e se atualizar das estreias nas telonas!

Receba por e-mail

Gêneros

Resenhas (793) Drama (242) Lançamentos (158) Ficção científica (111) Aventura (105) Comédia (78) Ação (53) Musical (52) Terror (50) Fantasia (39) Animação (31) Comédia romântica (25) Épico (24) Biografia (23) Faroeste (22) Thriller (8)

Arquivo do blog

Seja parceiro

Descubra como!
 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates