3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

terça-feira, 30 de março de 2010

Curiosidades de Indiana

Spilberg, Lucas e Indy versão South Park
A idéia de George Lucas e Steven Spilberg ao criar Indiana Jones era homenagear os seriados de aventura dos anos de 1930 e 1940.

Toda a trama de os Caçadores foi criada em uma conversa de 3 dias entre Steven Spilberg, George Lucas e o roteirista Lawrence Kasdan. Eles gravaram tudo em áudio e depois Kasdan só precisou transformar as idéias em um roteiro.

Indiana era o nome do cachorro de Lucas. O mascote também serviu de base para o visual do Wookie Chewbacca. O  nome de batismo do arqueólogo é Henry Jones Jr, Indiana é apelido.

Magnun Jones!
O nome original do herói era Indiana Smith mas, Spilberg mão gostou, queria algo mais marcante. Lucas sugeriu Jones, agradou!

Marion Ravenwood, nome da personagem de Karen Allen, é junção dos nomes da rua Ravenwood e da bisavó da esposa de um dos roteiristas, Marion.

Tom Selek, era a escolha original para dar vida ao arqueólogo, mas já estava comprometido com o seriado Magnum.

Já o papel de John Rhys-Davies (o anão Glimi, de o Senhor dos Anéis), Sallah, seria de Danny DeVito.

Inicio da aventura, algum lugar na América do Sul, um guia passa a perna em Indy. Reconheceu o cara??? É Alfred Molina (o Dr. Octopus de Homem Aranha 2) em seu primeiro trabalho na tela grande.
Dr. Octupus? Eu?!

Achou realista a cena onde Marion da um soco no arqueólogo em seu bar? É porque ela errou a mão e acertou alguns socos de verdade em Harison Ford.

As cenas do Egito foram na verdade gravadas na Tunísia, onde Lucas rodara Star Wars, anos antes.

O calor na Tunísia era tanto, que vários membros da equipe tiveram problemas digestivos. Spilberg escapou, o diretor consumia apenas comida enlatada.

A cena no mercado onde Indy atira no malabarista da espada seria mais longa, Mas com parte da equipe passando mal, inclusive Harison eles queriam acabar logo. Então Harison sugeriu "porque eu simplesmente não atiro logo nele?".
Aquela ao fundo é a bandeira do Brasil?!!

A cena da tenda onde Marion esconde uma faca em suas roupas e tenta escapar foi toda improvisada. Eles precisavam inventar um motivo para ela por o vestido.

Apesar de ter achado injusto filmar a cena das cobras com as pernas de fora e apenas um sapato, enquanto Harrison tinha calças compridas e pesadas botas, Karem ainda achou esta cena mais fácil que aquela em que ela é cercada por esqueletos falsos. Vai entender!

Durante uma cena as rodas de uma avião passaram em cima da perna de Harrison Ford. Ao invés de ir ao médico (na Tunísia) ele enfaixou, colocou gelo e continuou filmando.

'Prefiro cobras vivas a esqueletos de mentira!"
A marcante trilha sonora na verdade é formada por duas músicas. O compositor John Williams ofereceu duas opções a Spilberg, ele gostou de ambas então as musicas foram unidas.

Além dos 3 longas seguintes ( Indiana Jones e o Templo da Perdição de 1984, Indiana Jones e a Última Cruzada de 1989 e Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal de 2008) o personagem ainda inspirou um jogo de videogame, Indiana Jones e a Tumba do Imperador, a série de tv Crônicas do Jovem Indiana Jones e o livro Indiana Jones e os Sete Véus.

Para tirar o jeito de "roupa nova" das 10 jaquetas que compunham o figurino de Indy a figurinista usou uma escova de aço e um canivete de Harison Ford (ninguem no setor de figurino tinha um?).

Ao contrário do que muita gente pensa o chapéu original de Indiana não foi produzido no Brasil. Ele foi produzido na Grã-Bretanha por um chapeleiro chamado Herbert Johnson, e depois foi surrado pela produção, para parecer um chapéu bastante usado.

O ídolo que Indiana substitui por um saco de areia no início do filme foi inspirado em uma estátua inca da fertilidade.

6 metros de diâmetro, era quanto media a enorme bola de pedra, que na verdade era feita de fibra de vidro.. A equipe achou o efeito tão legal que a fuga da enorme bola ganhou uns 15 metros a mais que o planejado.

Como não tinham computadores para ajudar, a equipe de produção precisou retirar cerca de 300 antenas para cena da varanda onde aparecem os telhados do Cairo.

A supra-citada arca aparece novamente de relance durante a quarta aventura da franquia. Em Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal (2008) ela aparece em um depósito na Área 51. 

Nanananana, você não me pega!
9 mil cobras não venenosas foram recrutada por toda a Europa para ocupar a câmara da arca. As najas chegaram mais tarde e tratadas com muito respeito, afinal são mortais.

Observadores mais atentos podem ver o reflexo no vidro que separa Harison da naja na cena em que Indy encara a cobra. 

O submarino usado no filme foi alugado de outra produção, O Barco - Inferno no Mar de Wolfganga Petersen.

0 comentários: