3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Curiosidades de Um cão andaluz

- Um pouquinho de história da arte. Fazer do instinto um ponto de partida para uma nova linguagem artística. Era o que pretendia o menifesto surrealista assindado por André Breton em 1924. Um cão andaluz (Un chien andalou), lançado cinco anos mais tarde, foi impulsionado por esse movimento. É até hoje considerado o maior representante do cinema experimental surrealista.

- O filme foi escrito e dirigido em parceria de Luis Buñuel e Salvador Dalí. Ele mesmo, o cara que pintava relógios moles.

- Muitas das cenas como as da nuvem cortando a lua como se cortasse um olho, e a mão rastejante, com formigas, foram inspiradas em sonhos de Buñuel e Dali. A lógica dos sonhos e conceitos da psicanálise de Freud, como o subconsciente e as fantasias, também compões o curta. 

- A parceria de Bruñuel e Dali aconteceu apenas em dois filmes, Um cão andaluz e A idade de ouro (L'âge d'or, 1930). Depois do segundo Dali se prefiriu buscar mais lucro, deixando as amizades de lado.
Luis Buñuel e Salvador Dalí

- Na cena onde o olho de uma mulher é cortado, o homem com a navalha é interpretado pelo próprio Buñuel.

- Acredita-se que a cena onde formigas saem de uma mão é uma alusão à expressão francesa fourmis dans les paumes (formigas nas mãos), que significa "um grande desejo de matar". 

- Em 1929, no lançamento de Um cão andaluz, Buñuel encheu seus bolsos de pedras por medo da reação do público. Para sua surpresa, o público adorou o filme e ele teve que descarregar os bolsos discretamente. 

- A frase “sou ateu, graças a deus” é atribuída a Buñuel. 

Fonte: Blog EmFormação 

0 comentários: