3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

terça-feira, 27 de julho de 2010

Quando se cria um mito

Se hoje em dia os filmes de zumbis são um grande filão dos filmes de terror, é tudo graças a este filme aqui. Todo o mito dos mortos que revivem e são sedentos de carne humana foi criado nesse clássico de 1968: como eles surgem (uma estranha radiação alienígena reanima os cérebros dos mortos não enterrados em poucos minutos), como matá-los (através do fogo ou um tiro certeiro na cabeça, o objetivo é exterminar o corpo ou inutilizar o cérebro reanimado), o que eles querem (comer carne humana, e só), como se multiplicam (cada pessoa morta que não é enterrada/queimada se torna um deles, assim como os que são mordidos - uma espécie de contaminação viral). E assim nasce um mito.


Nem vou ter problemas pra dormir hoje...


Filmes de terror, especialmente os de mortos-vivos e de alienígenas não são o meu forte (e eu já passei por uma provação com eles para o blog, em Alien - o 8º passageiro). Também não foi à toa que eu relutei horrores pra assistir esse filme. A noite dos mortos vivos (Night of the living dead), é um filme sobre zumbis, rodado em preto e branco e sem nenhum efeito especial. O que isso interfere num filme de zumbi? Em tudo (pelo menos pra mim).


Num filme de zumbis cheio de efeitos especiais, sangue espirrando pra todos os lados, sustos gratuitos, eu ainda consigo ver alguma coisa ridícula e me prender a ela; daí começo a rir, achar o clima do filme mais ameno e não enjoar enquanto as personagens vão sendo devoradas. Acontece que, nesse original de Romero, não tem nada disso. A filmagem em preto e branco torna tudo mais sombrio, as maquiagens "toscas" dos zumbis ficam mais reais, não tem susto gratuito. Nem mesmo sangue pra todo lado: só aparecem nas horas certas, para causar mais terror.

O roteiro é ótimo e não deixa nenhuma ponta solta: a explicação para os mortos estarem voltando à vida, como afastá-los, como matá-los, como tentar se proteger. As reviravoltas são empolgantes, as personagens refletem as possíveis reações ao medo (cada um reage de uma forma diferente: uma fica catatônica, o outro quer achar um jeito de sobreviver até conseguir fugir, o outro quer se esconder em um lugar seguro até ser resgatado), o cenário é devastador (uma casa, no meio do nada, cercada por zumbis famintos). E apesar do meu medo de zumbis, meu preconceito quanto aos filmes de terror e da minha relutância em assistir... Não é que eu gostei do fiilme?

0 comentários: