3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Um pouco mais do gênero: Westerns


Filme de cowboys, bang-bang, faroeste, western. Nomes não faltam para aquele que é considerado o mais 'estadunidense' dos gêneros cinematográficos.

Apesar de outros países terem produzido faroestes, como o western spaghetti italiano, os filmes desse gênero eles foram definitos pelo crítico francês André Bazin como o "cinema americano por excelência", no seu livro O que é o cinema? Clint Eastwood por sua vez afirmou que à exceção do Jazz, os westerns são a única forma de arte originalmente norte-americana.

Western significa 'ocidental. O termo faz referência a fronteira do Oeste norte-americano durante a colonização. A região também era conhecida como 'far west' (oeste distante), é daí que vem o nosso abrasileirado 'faroeste'. Já o termo bang-bang era usado na promoção de antigas matinês e de quadrinhos. Sim, quadrinhos! Os westerns são qualquer forma de arte que represente, de forma romanceada os acontecimentos daquela região, no período histórico em questão, isso inclui escultura, literatura e até programas de tv.

Onde e quando?
A partir da linha do Mississippi  (bastante específico, não?), do período que precede a Gerra Civil, até a virada do século XX.

Temas recorrentes 
Ocupação de Terras, estabelecimento de grandes propriedades dedicadas à criação de gado, lutas com os índios e a corrida do ouro, jornadas pelo Oeste americano, ou os ataques de grupos mais ou menos organizados de bandidos que aterrorizam as pequenas cidades.

O cenário
Cercada por uma paisagen de grandes espaços abertos, as cidades do velho-oeste normalmente são composta por apenas uma rua principal, onde se encontram meia dúzia de casas, a cadeia r o saloon. Sempre há uma estrada de ferro por perto, mas nunca tão perto que dispense os cavalos e diligências. E claro, poeira muita poeira.
Só uma rua! Aqui eu não me perco.
Personagens
O respeitoso xerife, o dono do saloon e as moças que "trabalham" lá, e é claro o sempre presente cowboy solitário, que raramente são vaqueiros de verdade. No geral, são aventureiros, pistoleiros, ladrões, garimpeiros e possuem apenas o que carregam consigo, roupa do corpo, um revólver e um cavalo.

Curiosidades
O western possu sub-generos como o western épico, o "shoot 'em up" (onde a acção e os tiroteios se sucedem de uma forma irracional), os musicais, o drama, a tragédia e mesmo, algumas comédias e paródias. Depois de repensados, os elementos básicos do faroeste criaram os filmes westerns revisionistas.

Nos filmes de western predominam dois tipos de ambientação: o do Oeste selvagem e o do Oeste da passagem para o século XX. No segundo podemos ver algumas tecnologias em seu início, como os primeiros carros, telégrafos, locomotivas e até aeroplanos.

A evolução do gênero
Broncho Billy Anderson, o primeiro cowboy das telonas!
No cinema, o western mais antigo seria The Great Train Robbery, um filme mudo de 1903 dirigido por Edwin S. Porter e protagonizado por Broncho Billy Anderson. Anderson foi primeiro cowboy estrela de cinema, o que ficou comprovado nas centenas de curta-metragens em que ele depois participou.

Uma curiosidade, o primeiro filme rodado em Hollywood, em 1910, In Old California, de D.W. Griffith, foi um western.Outro filme, The Squaw Man, de 1914, em que estreava Cecil B. DeMille, seria o primeiro longa-metragem realizado na "meca do cinema". DeMille transpôs para o cinema, no mesmo ano, a obra pioneira, nos Estados Unidos, do western literário, The Virginian, e teve, mesmo, a colaboração do autor Owen Wister na elaboração do argumento.
A popularidade do gênero propiciou seu crescimento. Em 1923, James Cruze realizou o primeiro western épico, The Covered Wagon, sobre uma longa viagem pelos territórios selvagens até à Califórnia. Seria no ano seguinte que John Ford faria sucesso com The Iron Horse, sobre a construção do caminho de ferro de costa a costa.

Os estúdios passaram a produzir mais de uma centena de westerns por ano. A maior parte, formada por filmes B, sem grande peso para o gênero.. Raoul Walsh, com o seu The Big Trail (A grande jornada), de 1930, usou a película de setenta milímetros, que permitia englobar a paisagem fascinante da fronteira ocidental - além de outra aquisição importante: a revelação de John Wayne. No ano seguinte, Cimarron, de Wesley Ruggles, tornou-se o único dos clássicos do género a receber um Óscar para o melhor filme, proeza que só seria mais tarde repetida por Kevin Costner e Clint Eastwood.

A idade dourada do western norte-americano tem como expoente máximo, e de forma quase unânime, o trabalho de dois realizadores incontornáveis: John Ford, que foi o grande impulsionador da carreira de John Wayne, e Howard Hawks.

Em 1942, William Wellmann realizaria um filme que introduziria, de forma angustiante e com uma profundidade psicológica muitas vezes referida, novos temas e novas perspectivas para o género. The Ox-Bow Incident (Consciências mortas, em Portugal), ao lidar com uma das mais frequentes receitas do western: o linchamento ou a vingança feita na hora, pelas próprias mãos, e a irresponsabilidade de tais actos. É um dos filmes mais tocantes da história do cinema, aproveitando as lições de Ford e antecipando o cinema mais crítico após os anos 60. William Wyler e Fritz Lang, conhecidos noutros géneros cinematográficos, também realizaram algumas obras de referência.

Em 1954 foi lançado Johnny Guitar, que trazia mulheres em papel de destaque, disputando as atenções de um forasteiro. O filme não fez sucesso à época, mas depois entraria para a história do cinema como precursor do destaque feminino nesse gênero.


O revisionismo iniciado na década de 1960 questionou muitos dos temas e características próprias dos westerns; o que inclui maior importância ao papel das mulheres e a mudança de perspectiva em relação aos povos indígenas, que deixam de ser "selvagens" apenas para serem redimidos na imagem do "bom selvagem". As audiências começaram também a exigir argumentos mais complexos, que não se limitassem ao dualismo simples do herói contra o vilão, além de se começar a criticar o uso indiscriminado da violência como forma de imposição das personagens (porque é que o "bom" tinha de ser melhor que o "mau" no uso do revóver?). 

Os Imperdoáveis, filme da semana do DVD, Sofá e pipoca tem as caracteristicas mencionadas no ultimo parágrafo, sendo um exemplo genuíno de western revisionista

1 comentários:

Valdeir Vieira disse...

Muito bom parabéns!

http://valdeirvieira.com/empreendimentos/