3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Marty McFly e a incrível história da música

Quem viu o filme deve ter se divertido com as cenas de Marty McFly (Michael J. Fox) tocando no baile de formatura em que seus pais se apaixonaram. Uma situação inédita e hilária, obviamente causada somente por causa da viagem no tempo. Mas ali também tem uma pitadinha de história (e bastante humor) .

McFly e a banda Marvin Berry and the Starlights

Quando o guitarrista machuca a mão e não pode mais tocar, McFly assume e começa a tocar um blues para 'embalar os corações apaixonados'. Pois bem, a música é Earth angel (will you be mine), do grupo vocal americano The Penguins, não muito conhecido por aqui. O grupo era formado por um quarteto negro - não à toa, a banda que tocava no baile era composta por músicos negros. Oriundos da Califórnia, o quarteto se conhecia desde o Ensino Médio. O curioso nome da banda veio por influência de um mau hábito, especialmente para um cantor: fumante, um dos integrantes só comprava cigarros da marca Kool, que tinha um pinguim (penguin, em inglês) como personagem-marca. Como eles se achavam muito cool (bacanas, para usar uma gíria legal), adotaram o nome de The Penguins. A música Earth angel, maior sucesso do grupo de doo-wop (estilo de harmonização, vocalização em R&B - sabe aqueles 'ooo... ooo..' então, é mais ou menos isso), foi lançada em 1954, mas só obteve sucesso em sua regravação por outra banda pouco conhecida por aqui (os Crew-Cuts) em um ritmo diferente, que estava começando a dar seus primeiros passos - um tal de rock 'n roll. Mas foi a versão original do The Penguins que entrou para a lista de 500 maiores canções de todos os tempos da Rolling Stones (ficou com a posição 151 do ranking). E é um cover dessa gravação original que a gente escuta no filme.

A música é tão conhecida pelos americanos que já teve várias regravações, inclusive pelo Rei do Rock, Elvis Presley, e outras homenagens - inclusive de bandas como Bella Morte, uma banda de gothic metal (?!). Eles regravaram a música em 2006, e produziram o clipe (também um bailes de formatura, mas um tanto... diferente) em 2007. Dá uma conferida no que eles fizeram.

Earth angel - Bella morte



E quando Marty agrada ao público, os músicos resolvem pedir para que ele continue tocando. Empolgado, Marty sugere ao bateirista: "é um blues que eu vou tocar agora, é só seguir e prestar atenção quando for a virada" (numa tradução livre). Pois bem, todo mundo sabe que o rock nasceu do blues. E quem é considerado o pai do rock? Charles Edward Anderson Berry, um músico negro, nascido em 1926, mais conhecido por Chuck Berry. Uma lenda viva do rock, inovou quando em 1955 lançou a canção Maybellene, que sintetizava o formato do então novo ritmo - combinava blues com country, versos juvenis sobre garotas, dicção impecável e solos de guitarra. No filme, quando Marty volta a tocar para o público, ele começa com o inconfundível e famosíssimo solo de guitarra de Johnny be goode - um dos maiores sucessos de Chuck Berry e um clássico do rock. Então o guitarrista acidentado (Marvin Merry, no filme) liga para um tal primo Chuck, e o coloca para ouvir "o novo som que ele estava procurando". Pitadinha de humor para dizer que foi McFly quem inventou o rock. Genial!





E seria impossível terminar um post sobre McFly e música sem falar da banda McFly. Com o nome claramente inspirado no filme, a culpa é do nerd vocalista da banda Tom Fletcher. Assistindo ao filme com os amigos, sugeriu o nome para a banda. O amigo Danny Jones aceitou depois que viu seu nome escrito no caminhão de esterco (Dr. Jones) em uma das cenas. A formação da banda aconteceu depois de várias audições de uma gravadora para encontrar os rapazes certos para montar uma nova banda de pop rock. vindos de testes diversos para outras bandas, reuniram-se Tom, Danny, Harry e Douguie. Com o primeiro single lançado em 2004, Five colours in her hair, seguido de Obviously, o grupo alcançou as paradas de sucesso e ainda abocanhou um recorde no Guiness Book: a banda mais nova a ter um álbum de estréia no topo do ranking. Os integrantes tinham apenas 18 (Tom e Harry), 17 (Danny) e 15 (Dougie) anos, desbancando assim, ninguém menos que os Beatles.

Com tanto sucesso, não demorou muito para serem chamados para atuar em um filme de Hollywood. Ao lado de Lindsay Lohan (na fase pré-escândalos, a mais promissora de sua carreira), protagonizaram a comédia romântica Sorte no amor (Just my luck, 2006), interpretando a si mesmos como uma banda aspirante ao sucesso. Dali em diante, o sucessosó aumentou. Diferente das boys band dos anos 90, o grupo compõe as próprias canções (basicamente todas são feitas pela dupla Tom e Danny, com participações dos outros integrantes e outros compositores) e se apresentam ao vivo, tocando os intrumentos - nada de playback nos shows. Com 5 cds de estúdio lançados (o mais recente, no ano passado), um selo próprio e vários prêmios na estante, eles lotam shows pelo mundo todo - inclusive no Brasil, levando à histeria as fãs adolescentes.

Pessoalmente, sou fã da banda. Não do tipo adolescentehistérica (já não tenho mais idade pra isso), mas gosto das músicas - principalmente as dos primeiros cds, que são leves, divertidas e lembram o rock dos anos 50 e 60. Com o tempo, foram se adaptando a um estilo mais pop, mas nem isso abalou a fidelidade das fãs. Conhecidos por seus clipes bem humorados, um é especial para este post: One for the radio foi um single lançado em 2008, com um clipe que reproduz a sequencia de Marty McFly na casa de Doc, mexendo no amplificador.

One for the radio - McFly



Vale ressaltar que música é uma obra viva, está sempre se renovando. Novos artistas aparecem a cada temporada, mas o que é bom também permanece - seja na forma original ou em regravações. Sempre há uma comunicação entre passado e futuro, com jovens artistas inspirados por grandes mestres. E as emoções que provocam, sempre nos impactando, nos fazendo viajar ou nos fazendo relembrar determinada situação, pessoa, data, lugar. Talvez seja ela própria uma máquina do tempo, tão estilosa e divertida quanto um DeLorean turbinado.

2 comentários:

Papito disse...

E o resto das músicas, como a que toca no ônibus, quando o diretor entra?

Fabiane Bastos disse...

Ônibus? Refresque minha memória, não lembro de nenhuma cena com ônibus ou diretor em De volta para o futuro.

Talvez você esteja confundindo com Curtindo a vida adoidado?
Se for o caso a música se chama Oh Yeah, da banda Yello