3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Um filme para esquecer


Eu juro que fui inocente e nem reparei no título. Estava na cara que ia ser um filme triste, com boas doses de drama. Até aí, nenhuma novidade, volta e meia Hollywood acha que precisa de produções que deixem as mocinhas com os olhos cheios d'água no cinema. Mas Um amor para recordar não precisava ter uma protagonista tão sem-graça quanto Mandy Moore, precisava? E com aquela caracterização então... Sério, ficou engraçado, quando não era pra ser. Deixa eu ser bem clara: ninguém, ninguém mesmo, se veste daquele jeito no colégio há uns cinquenta anos, pelo menos. Fica difícil acreditar no que vem daí por diante. Bola fora.

Sem falar que precisamos nos esforçar pra tirar alguma coisa legal da trama totalmente previsível. Vejamos se perdi algo: o cara mais popular da escola e a mocinha rechaçada pelos colegas também populares (e babacas) não se bicam; em determinado momento, eles se aproximam por um motivo conveniente para ele; aos poucos, ele percebe que ela é uma pessoa legal; depois de muito relutar e até humilhá-la, ele se convence de que está apaixonado; ele precisa enfrentar os amigos para ficar do lado da mulher que ama. Nada inspirador, né?


E isso porque ainda nem começou o dramalhão. Não vou contar demais para não estragar a história, mas o mais novo casalzinho da praça tem que enfrentar alguns sérios obstáculos. Entendo que, na vida real, nem tudo é um mar de rosas, e a situação do filme possa perfeitamente acontecer com qualquer um. Mas, no fundo, tudo soa meio piegas, forçado. Até mesmo a crença inabalável de Jamie, filha do rigoroso reverendo e religiosa ao extremo. O tom panfletário-convertedor e os diálogos, bem pobrinhos, também não ajudam. Em algumas horas eu me sentia numa aula de catecismo bem forçada.

Pra não dizer que é má-vontade minha, o romance tem até algumas coisas bonitinhas. Apesar de começar a história como um descerebrado, Landon (Shane West) é fofo com Jamie até não poder mais, do tipo que pede ao pai da moça para sair com ela, que faz de tudo para que ela realize seus desejos e que fica do lado dela até o fim. Pena que nem toda essa fofura seja capaz de salvar o filme. É daqueles para não recordar.

0 comentários: