3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Machistas sim, detestaveis nunca!

Sete noivas para sete irmãos é um filme no mínimo curioso. Tem canções fortes, embora não memoráveis como Singing in the Rain, é extremamente machista e ainda sim tem momentos doces. Começo a escrever este texto sem muita certeza sobre o que achei do filme. Ao menos tenho certeza: me diverti!

Adam (Howard Keel), tem um objetivo maior que trocar seus grãos nesta ida a cidade. Ele quer uma esposa. Mora com outros 6 irmãos, e sem uma mulher a casa fica um caos, logo a busca é por uma moça forte, trabalhadora e bonita. Exigente, não? O machismo começa aí. Rapaz passeia pela cidade observando as moças como se estivesse escolhendo legumes em uma feira. Contrariando as probabilidades, já que na cidade ha 10 homens para cada mulher, ele encontra a moça em uma tarde.

Milly (Jane Powell), não se agradou de nenhum dos moços da cidade, mas cai de amores por Adam. Casada segue com ele para fazenda sonhado com a vida a dois. Pobre moça, mal sabe que sua vida será a 8! Depois de perceber que o marido achava que esposas e criadas eram a mesma coisa e ter um acesso de raiva, a moça perdoa o companheiro, e resolve por ordem na casa. Arruma tudo, e transforma os seis valentões, briguentos em moços quase educados.

Apresentáveis, a família feliz vai a um "baile/construção de celeiro". E em uma enorme e deslumbrantemente elaborada cena de dança, os rapazes roubam o coração de 6 moças comprometidas. Resultado: briga claro! Longe de suas amadas os valentões amarguram uma dor de cotovelo daquelas, até que influenciados pelo irmão mais velho resolvem roubar as moças. O longo inverno na neve faz com que que moças e rapazes fiquem juntos, e isolados do resto do mundo, cenário perfeito para.... Bom você deve ter imaginado. Mas como isso é um filme de família Milly está lá para garantir a honra das moças.

Nunca vi uma terra onde casar seja tão simples. Termine suas terefas, se lave e encotre um juiz! Nunca fiquei com tanta pena de uma recé-casada, nem com tanto orgulho quando a moça da a volta por cima. Puro Girl Power!!!

O paralelo com Branca de Neve e os sete anões é inveitável. De fato coloque a princesa como casamenteira dos amingos e você teria Sete noivas para sete irmãos. Desde nas cenas onde os rapazes atacam o jantar, e em que Milly os obriga a se lavar, até em seus quarto com camas infileiradas. Intencional ou não a caricatura está lá. Até nomes divertido os 7 irmãos tem Adam, Benjamin, Caleb, Daniel, Ephrain, Frankincense e Gideon. Nomeados em ordem alfabética, com nomes bíblicos (menos Frank, não há nomes com "F" na biblia).Além de engraçados ajuda a indentificar tantos personagens, embora nunca chegamos a conhece-los profundamente.

Classe de dança da Milly - vagas limitadas!
Milly também é a primeira grande professora de balé estadunidense. Bastou uma aulinhas para os rapagões, saltarem com bailarinos do Bolshoi. As sequencias de danças são complexas e vibrantes, em grande parte por causa dos coloridos figurinos. Onde que fazendeiros solitarios se vestiriam assim? Por permitir loucuras como essa que o cinema é tão divertido.

Já afirmei em posts anteriores e repito: adoro quando as personagem começa a cantar e dançar de repente.  Mas confesso, que não pude conter o riso ao ver um dos brutamontes cantar "Eu sou um furão solitário...". No mesmo número ainda rola um "pas de deux" com machados de verdade! Imagina se escapole e acertam um? Balé, uma atividade perigosa!

Mesmo com todas as situações improváveis e machista, é muito dificil não simpatizar com os moços. Com sua falta de jeito, não apenas com mulheres, mas com as pessoas em geral. Com a paixonite coletiva fulminante, seguida de atos impulsivos por amor, e seu posterior crescimento, afinal eles acabam aprendem a lidar com as pessoas. Além da força de Milly que além de botar a familia nos eixos ainda enfrenta problemas com seu próprio noivo. Gente com agente! Um pouco exagerada, verdade, mas com os mesmos dilemas.
 
 Só para constar. Apesar de estarmos comemorando o mês das noivas em maio, por lá a moda é casar em junho. Segundo as moças casadoiras, quem desposa nesse mês sempre será uma noiva. Deve ser verdade tem até uma música sobre isso!

1 comentários:

Geisy Almeida disse...

Nunca tinha pensado que balé fosse tão perigoso! hahaha