3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Os musos inspiradores de Muriel

Tá na cara que esse post vai ser dedicado ao grupo sueco ABBA, né? Na verdade, vai ser um post bem breve. Até porque, por mais que você não goste, acho bem improvável que ninguém tenha ouvido falar desse grupo que ficou megafamoso nos anos 80, a era em da contracultura. O que eles tinham de contra? Eles eram suecos e fizeram sucesso no mundo todo, por quase uma década. Sempre com músicas dançantes, com resquícios ainda da década de 70 - a era de ouro da discoteca. Aliás, foi em 1972 que a banda foi formada e seu sucesso se prolongou até o início dos anos 80. ABBA se tornou a banda pop que mais discos vendeu na indústria fonográfica e, mesmo sendo inativa desde 1983, vendem mais de 3 milhões de discos por ano.

O nome do grupo vem das iniciais de cada um dos quatro integrantes: os músicos Björn Ulvaeus e Benny Andersson, e as vocalistas Agneta Fältskog e Anni-Frid Lyngstad. Esta última é mais conhecida como Frida. Porquê, né? Emplacaram sucessivos sucessos nos Top Ten mundiais, sendo superados apenas pelos Beatles. Várias de suas músicas se tornaram "clássicos" (mesmo que considerado brega), e hits como Dancing Queen, Fernando, Chiquitita e The winner takes it all ainda agitam bailes saudosistas - e quem é mais novo cai na dança também.


O grupo era conhecido pela ousadia e pelo visual moderno. Vai copiar o modelito?

O musical Mamma mia!, feito de músicas do grupo, está em cartaz até hoje e já foi visto por mais de 35 milhões de espectadores em todo o mundo e atualmente encontra-se em exibição permanente em mais de dez cidades; entre elas Las Vegas, Tóquio, Hamburgo, Londres, Dublin, Nova Iorque, Toronto, Bucareste e Seul. Recentemente virou filme com Merryl Streep, Amanda Seyfried, Colin Firth e Pierce Brosnan (!), fez um sucesso danado e jogou o nome do grupo de novo sob os holofotes.
ABBA, no formato BAAB - desculpem, não resisti à piadinha

O que mais me marcou nessa fixação de Muriel pelo ABBA foi quando ela, tentando animar a amiga recém-acidentada, diz: "desde que eu vim para Sydney, não tenho escutado músicas do ABBA, e sabe porquê? Porque minha vida finalmente está tão boa quanto uma música do ABBA". Bom, gosto musical à parte, o que importa é que música realmente tem esse poder, de nos animar quando estamos mal, de incentivar, de nos fazer sonhar. E as canções realmente tem uma levada alto astral. E que atire a primeira pedra quem nunca se jogou na pista ao som de Dancing Queen!Foto mais atual: o tempo passa...

0 comentários: