3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

domingo, 7 de julho de 2013

A Megera Domada

Hora do dever de casa! Afinal Shakespeare ainda é o tema do mês, nada mais justo que dar uma espiadinha na obra que inspirou o filme da semana, 10 Coisas que Eu Odeio em Você, e várias outras produções. 

Kiss Me Kate, chegou aos cinemas também em 3D, em 1953
The Taming of the Shrew, ou A Megera Domada no Brasil, é uma das primeiras comédias de Willam Shakespeare que tem como tema central, conquistas amorosas, casamento e guerra dos sexos.

Na trama Bianca tem vários pretendente, mas não pode se casar, pois sua irmã mais velha Catarina ainda não se casou. O motivo da solterice? A moça se recusa a ser uma submissa esposa papel das mulheres na época. Os pretendentes de Bianca logo arranjam uma forma de casar a irmã megera, com o grosseirão Petrúquio. A partir daí, acompanhamos a tentativa de Petrúquio de amansar sua difícil esposa. E as peripécias dos pretendentes de Bianca, para fazer a corte à inatingível moça.

Liz Taylor em A Megera Domada  - 1967
Aracy Cardoso e
Edson França em
A Indomável
Todos fazem tudo por amor, mentem, trapaceiam em duas linhas bem distintas de humor. O popular das brigas de Petrúquio e Catarina, ou o mais sofisticado produzido pelos intricados disfarces dos pretendentes de Bianca. Enquanto isso Shakespeare faz uma crítica ao machismo e aos costumes da época.

Além da versão tradicional dos palcos é possível encontrar a trama de A Megera Domada em diversas versões e adaptações. Na Broadway o Kiss me, Kate traz a comédia em forma de musical, que chegou também aos cinemas em 1953 com o título em portugês de Dá-me um Beijo.

Teve uma dezena de adaptações tradicionais para o cinema e a TV desde um curta metragem de 1908 de D.W. Griffith (de O Nascimento de Uma Nação), até as mais famosas de Sam Taylor em 1929, com Mary Pickford e Douglas Fairbanks. E de Franco Zefirelli em 1967, com Elizabeth Taylor e Richard Burton nos papéis principais.

Antônio Fagundes e
Maria Isabel de Lizandra
em O Machão
Versões tupiniquim vem em forma de novela! E nós produzimos 3 baseadas na peça. A Indomável da TV Excelsior(1965) foi dirigida por Walter Avancini. Passada na década de 1920, tinha nos papéis principais Aracy Cardoso (Catarina), Edson França (Petrucchio) e Nívea Maria (Bianca).

O Machão (1974 - 1975) da TV Tupi, teve A Indomável como base, mas foi reescrita por Sérgio Jockyman. A direção era de Luiz Gallonm e Edson Braga. Começou a ser transmitida em preto-e-branco e ganhou cores durante a sua produção, que contava com Antônio Fagundes, Maria Isabel de Lizandra e Irene Ravache.

O Cravo e a Rosa (2000 - 2001) da TV Globo, é um remake de A Indomável, que contou novamente com a direção de Walter Avancini. O texto era de Walcir Carrasco, e contava com Adriana Esteves (Catarina), Eduardo Moscovis (Petrúquio)e Leandra Leal (Bianca). Com um grande sucesso no morno horário das 18h, foi esticada em 70 capítulos e repisada menos de 2 anos depois de seu termino, e ganhou nova reprise anos mais tarde.

0 comentários: