3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Angry Birds - O filme

Para quem nunca ouviu falar do jogo dos passarinhos brabos e não sabe que eles tem uma raiva mortal dos folgados porcos verdes, Angry Birds - O filme (Angry birds, 2016) veio solucionar os seus problemas. Apresentando os principais personagens do viciante joguinho, o filme é um passatempo divertido para crianças e também para os pais - que podem se surpreender com algumas piadas.


Red (Marcelo Adnet na versão brasileira, Jason Sudeikis no original) viaja pela floresta enfrentando vários desafios para não chegar atrasado em seu trabalho. Mas, como não pode voar (assim como todos os outros passarinhos da ilha), ele tem um longo caminho ao estilo Tarzan para fazer sua entrega. Chegando atrasado e tendo problemas com o cliente, Red perde a cabeça quase que tudo dá muito errado. Como na Ilha dos Pássaros, todos os passarinhos vivem em harmonia, felizes e em paz, Red foi condenado pelo júri a passar por uma "reabilitação": controlar a raiva era a lei mais importante do lugar, e somente quando Matilda (Dani Calabresa/Maya Rudolph) dissesse que ele estava curado, ele poderia voltar para sua vida normal. Bem, não seria nada fácil ele manter a calma com aquela turma.

Totalmente compreensível a raiva de Red (Adnet) com esse boneco aí
Na aula de Matilda, que aparentemente também tem problemas para controlar sua calma, Red conhece os seus futuros melhores amigos: Chuck (Fábio Porchat/Josh Gad) é um passarinho amarelo e apressado demais que adora se meter em confusões; Bomba (Mauro Ramos/Danny McBride) pode literalmente explodir se assustado, então aprender a se controlar é muito importante; e Terêncio (participação de Sean Penn no original) é bem caladão e amedrontador - mas que, no fundo, tem um coração maior que ele.

Dá pra confiar nesses porcos? Não, né...
Quando a Ilha dos Pássaros recebe uma visita inesperada de um barco vindo da Ilha dos Porcos, e de dentro dele surge um porco verde chamado Leo (Guilherme Briggs/Bill Hader) e dois ajudantes prometendo muita diversão, todos os outros inocentes passarinhos ficam animadíssimos - menos Red. Ele desconfia que algo muito errado está acontecendo, mas ninguém lhe dá ouvidos. Quando ele resolve invadir o navio, descobre que eles tem muitos artefatos estranhos, como camas elásticas e dinamites, e muitos outros porcos escondidos no porão. Tentando desmascarar o vilão, Red acaba sendo novamente ignorado pelos outros pássaros. Buscando conselho com aquele que seria o mais sábio e importante pássaro de todos os tempos, o lendário Mega Águia (Márcio Simões/Peter Dinklage), que há tempos se isolou no topo da montanha e nunca mais fora visto por ninguém. Red, Chuck e Bomba vão atrás de conselho, descobrir o que ele sabe sobre os visitantes - mas a penosa (com perdão do trocadilho) viagem não se mostra muito frutífera. Com o ego maior do que a barriga, o velho herói já não parece muito bem da cabeça. Desolados, eles voltam para a ilha sem nenhuma ajuda.

A ajuda vem do alto... Ou não!
Quando chegam, uma enorme festa rolava e todos os pássaros estavam empolgadíssimos e, enquanto isso, os porcos estavam secretamente roubando os ovos de toda a ilha. O trio tenta impedir o roubo, mas nenhum de seus esforços é recompensado. Desesperados, sem saber o que fazer, os outros pássaros pedem a ajuda de Red. Como salvar seus filhotes se nenhum deles sabia voar? Agora, não havia espaço para a paz e a harmonia: agora era a hora de ficar com muita raiva!

Chuck (Porchat) e suas maluquices: uma das coisas mais engraçadas do longa
Um roteiro bem amarradinho, com muitas piadas físicas (torta na cara, machucados e quedas diversos), além dos gráficos, do colorido e do carisma dos personagens (que coisas mais fofas os filhotinhos!) garantem a atenção dos pequenos do começo ao fim. Algumas piadas e referências a outros filmes vão entreter os adultos que acompanham as crianças, e vão trazer sorrisos sinceros aos mais atentos. A dublagem em si, se não foi um empecilho, tampouco foi brilhante - fica bem evidente o esforço dos comediantes brasileiros, mas basta ouvir os personagens dublados pelos experientes Ramos, Simões e Briggs para se notar a diferença. Um filme típico para a diversão em família, e promete algumas sequências: afinal, se essa foi apenas a introdução aos personagens, ainda tem muitas "fases" divertidas ainda por vir.

1 comentários:

dissertation editing services - edit-ing.services disse...

I have not seen this film yet, however, I would like to spare my rest day with my big family watching it. I want them to be involved in the atmosphere of this vivid cartoon.