3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

sábado, 14 de outubro de 2017

Pequena Grande Vida



Contando com muito bom humor, Pequena Grande Vida (Downsizing, 2018*) é um olhar crítico sobre a hipocrisia. Em tempos de Trump no governo americano falando em "tornar os Estados Unidos grande de novo" e as tecnologias e discursos engajados - porém pouco eficientes - para salvar o planeta da destruição, o diretor Alexander Payne não tem medo de pôr o dedo na ferida.

Após uma experiência científica revolucionária - pela primeira vez a ciência conseguiu reduzir pessoas e animais sem que houvesse qualquer prejuízo na saúde destes - o mundo mudaria para sempre: se toda a população aceitasse diminuir, não haveria mais problemas com escassez de alimentos. Vivendo em cidades menores, produzindo menos lixo, consumindo muito menos do que pessoas de tamanho normal, essa seria a solução para os problemas do mundo. Certo? Vejamos.

Dez anos depois, a miniaturização já é uma realidade. Várias comunidades espalhadas pelo mundo são prósperas e vendem a ideia do "sonho americano" como água no deserto - afinal, o pouco dinheiro no mundo grande se torna uma fortuna quando você aceita se miniaturizar. Quem não quer viver uma vida de luxo, segurança e conforto? Paul Safranek (Matt Damon) e sua esposa Audrey (Kristen Wiig) são um casal como outro qualquer. Empolgados pela iniciativa de fazer o mundo melhor e pela oportunidade de finalmente conquistar uma vida boa, eles aceitam o processo. Mas nem tudo acaba sendo como eles imaginaram.

E aí temos esta pérola: uma pequena alfinetada, polida e redondinha, para a gente entender que nem sempre as boas intenções são suficientes - e que nem sempre o que parece altruísmo o é de verdade. As doses generosas de crítica bem humorada nos levam a refletir sobre as relações humanas em vários níveis, e o quanto nossas ações são mais importantes que nossa palavra. De forma leve e divertida, o Payne nos faz pensar sobre assuntos tão pertinentes - e isso foi o que mais me encantou neste longa.

Em um filme recheado de participações especiais (e algumas caras conhecidas do público, como o ator português Joaquim de Almeida e o eterno Dawson do seriado, James Van Der Beek), as atuações de Hong Chau como Ngoc Lan Tran, uma ex-prisioneira vietnamita, e de Christoph Waltz como Dusan, o novo vizinho  excêntrico de Paul, são a cereja do bolo. A partir do momento em que a personagem de Chau entra em cena, o filme é dela. Waltz é um caso à parte: basta um sorriso e ele já disse a que veio (desculpem, sou fã assumida - mas ele é maravilhoso mesmo.) Matt Damon também não fica atrás, dando conta de seu "ingênuo homem-comum" com bastante credibilidade.

Pequena Grande Vida é um filme diferente, que traz elementos de comédia normal disfarçando uma reflexão profunda sobre a sociedade e o futuro da humanidade. Com certeza vale a pipoca do fim de semana.

*O filme terá exibição nesta edição do Festival do Rio nos dias 13, 14 e 15/10. Depois dessas, só no lançamento oficial em janeiro de 2018. Se estiver na cidade, não perca a oportunidade!

0 comentários: