Home » , , , , » Thor: Ragnarok

Thor: Ragnarok


Do universo cinematográfico da Marvel, os filmes do Deus do Trovão sempre foram os mais "engraçadinhos". Isso fica bem evidente nesta terceira aventura solo do heroi, Thor: Ragnarok (2017). Para quem espera algo mais sombrio (afinal, o Ragnarok está associado ao apocalipse mitológico) deve estranhar o visual bastante colorido do início ao fim e o tom quase infantil de humor - nada que estrague o desenrolar do filme, mas que pouco contribui para o entendimento da trama. Apesar de alguns defeitos incômodos, como a falta de destaque para os vilões e o clima meio forçado de humor, o filme ainda é mais consistente e impactante que os dois antecessores.

Hela (Blanchett): sinistra e cheia de ressentimento no coração

Em linhas gerais, temos a trama circulando entre os herdeiros de Asgard: Thor (Chris Hemsworth), Loki (Tom Hiddlestone) - que apesar de adotado por Odin (Anthony Hopkings) é considerado por este como um filho legítimo - e Hela (Cate Blanchett), a primogênita do deus-supremo. Sim, você não leu errado: Thor e Loki tem uma irmã mais velha, e ela só é mais poderosa até que o Pai de Todos. Trancafiada por séculos, alimentou um ódio terrível pelo pai Odin enquanto ele governava os nove reinos sem ela; porém como Hela estava longe de Asgard (a fonte de seu poder), ela precisava esperar uma oportunidade de voltar. Quando Loki toma o trono de Odin ao final de Thor - O Mundo Sombrio (2013), Asgard fica desprotegida e a Deusa da Morte tem a oportunidade de voltar. Com os sonhos proféticos de Thor se tornando realidade, ele precisa correr contra o tempo para impedir que Asgard seja destruída para sempre.

Com o reino em perigo e sem Thor (Hemsworth) e Odin (Hopkins) para protegê-lo, resta a Heimdell (Elba) a tarefa de defender Asgard
Muita coisa acontece nesse meio-tempo: um encontro-relâmpago com o Dr. Estranho (Benedict Cumberbatch), o mágico martelo Mijölnir é destruído por Hela, Thor acaba sendo levado como um competidor ao estilo gladiador para o planeta Sakaaran e enfrenta o Hulk (Mark Ruffalo) para delírio da plateia, uma Valquíria rebelde (Tessa Thompson) - das mitológicas filhas-guerreiras de Odin, equivalente às amazonas gregas - irá se juntar ao grupo de Thor para proteger Asgard. Aliás, é em Sakaaran que estão os personagens mais bacanas: o Grão-Mestre (Jeff Goldblum, impagável) e o lutador - e pseudo revolucionário - Korg (voz do diretor Taika Waititi) são as coisas mais legais do planeta, sendo realmente divertidos sem que haja um esforço muito evidente para o humor acontecer. Em Asgard, há ainda Heimdell (Idris Elba) liderando a resistência contra a nova rainha e o indeciso Skurge (Karl Urban), que não sabe muito bem em que lado quer ficar - mas que é capaz de qualquer coisa para salvar a própria pele. 

Grão-Mestre (Goldblum) e Loki (Hiddlestone) assistindo à luta de Thor e Hulk (Ruffalo): sequência divertida em Sakaaran
Levando em conta a diversão acima de tudo, o filme se propõe a entreter e ser assumidamente um passatempo. O elenco inteiro parece se divertir enquanto trabalha, e devo aplaudir a atuação de Blanchett. Não que eu duvidasse da capacidade dela, muito pelo contrário; mas como todo grande vilão megalomaníaco, eu temi que ela ficasse caricata. Não foi o que aconteceu (ainda bem!), mas fiquei bastante decepcionada com dois fatores: a falta de destaque para sua personagem na trama e os efeitos digitais nas cenas de luta da vilã. É tão evidente que não é um humano performando aqueles movimentos que dá até dó - custava colocar uma dublê para isso? 

Sturge (Urban) e Hela em Asgard: vilões pouco explorados
Mas, se é para falar de efeitos especiais, esse é apenas um pequeno defeito em um universo muito maior dentro do filme. As criaturas em CGI são magníficas em detalhes, e o visual geral resulta em algo espetacular. Nesse ponto, devo dar os devidos créditos ao diretor Taika Waititi: ele se propôs a fazer um filme divertido e bonito, e conseguiu os dois. Apesar de eu ter rido bastante durante a exibição - principalmente quando as piadas eram mais sutis, diga-se - eu acredito que este filme não vai ficar na memória por muito tempo. Pior, não vai ser daqueles que a gente não se cansa de rever. E também senti falta de um tom mais apocalíptico, afinal o nome nos leva a crer que haverá uma ameaça iminente pairando sobre a cabeça de Thor o filme inteiro - mas não é essa a sensação que fica. No fim, saí do cinema com uma confusa sensação de ter gostado do longa, mas não ter me empolgado tanto quanto achei que ficaria - além de achar que ele logo cairá no esquecimento.

Valkíria (Thompson) em um bar de Sakaaran: visual colorido e impactante
Ainda assim, é uma experiência digna de ver na telona. Duas cenas de ação tem a maravilhosa trilha sonora de Led Zeppelin (The Immigrant Song) e nos deixam com o coração acelerado conforme a tensão da música combina com os eventos da tela. Tem lá seus momentos de importância para o grand finale que será Guerra Infinita, mas o foco passa longe disso. Menos "drama familiar" que Guardiões das Galáxias Vol. 2Thor: Ragnarok é uma boa pedida para um cinema em família pois deve agradar desde os pequenos até os adultos fãs da franquia. 

P.s.: Algumas sequências bastante divertidas merecem destaque, além das já habituais cenas pós créditos para ficar de olho (são duas nesse filme): atenção para as cenas onde Loki aparece, em toda a parte da arena gladiadora de Sakaaran, e na hilária representação teatral em Asgard que acontece logo no início. 

0 comentários:

Meses temáticos!

Confira nosso catálogo de críticas e curiosidades completo, distribuído em listas e meses temáticos.

Lista de 2015 Lista de 2010
Meses temáticos
2014 2013 2012 2011
Trilogia Millenium Ficção-cientifica Pioneiros De Volta para o Futuro
Meryl Streep e o Oscar Broadway Brasileiros no Oscar Liz Taylor
Fantasias dos anos 80 Realeza Tarantino Filmes de "mulherzinha"
Pé na estrada Scorcese Chaplin Stephen King
Mês Mutante Off-Disney Filmes de guerra Noivas
Mês do Futebol Mês do Terror Agatha Christie Genny Kelly
Mês Depp+Burton Shakespeare HQs Harry Potter
Cinebiografias Pequenos Notáveis Divas Almodovar
Robin Williams Mês do Rock Woody Allen Remakes
Mês das Bruxas Alfred Hitchcock Rei Arthur Vampiros
Humor Britânico John Wayne John Hughes Elvis
Mês O Hobbit Contos de Fadas Apocalipse O Senhor dos Anéis

Especial do momento

Mulan

As definições do projeto para formar cinéfilas melhores foram atualizadas

Agora nos dedicamos a um filme por mês, sem deixar de lado as críticas dos lançamentos no cinema. Venha com a gente descobrir curiosidades dos nossos especiais e se atualizar das estreias nas telonas!

Receba por e-mail

Gêneros

Resenhas (773) Drama (235) Lançamentos (138) Ficção científica (109) Aventura (103) Comédia (76) Musical (52) Ação (47) Terror (47) Fantasia (37) Animação (29) Comédia romântica (25) Épico (24) Faroeste (22) Biografia (21) Thriller (7)

Arquivo do blog

Google+ Followers

Seja parceiro

Descubra como!
 
Copyright ©
Created By Sora Templates | Distributed By Gooyaabi Templates