3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Liga da Justiça


As expectativas estavam altas para esse Liga da Justiça (2017) - principalmente por causa do medo da repetição dos fiascos de crítica de Batman vs Superman : A origem da Justiça (2016) e Esquadrão Suicida (2016). De fato, eu mesma tinha minhas dúvidas do que eles poderiam fazer para consertar as burradas nos filmes de 2016, mas parece que as coisas começaram a se acertar com Mulher Maravilha (2017) e podem continuam a trilhar um bom caminho - além de prometer muito mais na sequência.

Seguindo rastros de um mal maior
Ainda no espírito de “juntar o time”, a trama principal precisou ser um pouco mais resumida. O filme começa com o Batman (Ben Affleck) no rastro de um enigma: insetos voadores que farejam medo e um recorrente e misterioso desenho de 3 caixas - que ele havia descoberto entre as anotações de Lex Luthor (Jesse Eisenberg) - o levam a acreditar que uma ameaça maior está a caminho. A Mulher Maravilha (Gal Gadot) ainda está combatendo os vilões do dia-a-dia, mas logo a amazona receberá um aviso de algo mais urgente. As amazonas estão preocupadas com o comportamento estranho da Caixa Materna que zelam, e logo elas terão que enfrentar um inimigo muito mais poderoso do que suas extraordinárias capacidades: O Lobo da Estepe (Ciáran Hinds, o Rei Pra Lá da Montanha de Game of Thrones).

Mulher Maravilha (Gadot) enfrenta o Lobo da Estepe (Hinds): luta entre deuses ainda é desequilibrada
Ambos herois entendem que o tempo está se esgotando e que é preciso recrutar mais ajuda – uma vez que o Superman (Henry Cavill) está morto, é necessário refazer uma antiga aliança entre os povos da Terra para enfrentar o disseminador do apocalipse. Mas como eles iriam exigir isso de um rei, de um jovem com problemas de socialização e um hibrido clandestino de humano e androide? Eles precisam contar a verdade, e é assim que eles vão atrás do Aquaman (Jason Momoa), do Flash (Ezra Miller) e do Cyborg (Ray Fisher). Decididos a impedir que o Lobo da Estepe tenha em suas mãos as três caixas, eles farão de tudo para evitar que a Terra seja destruída.

Liga reunida para a batalha final
Devo confessar que Liga da Justiça não chegou a superar minhas expectativas, mas o filme surpreende por ter melhorado muito o tom “supergrupo de herois” que eles tentaram em 2016 e que não foi bem o esperado. Era meio óbvio que os mais conhecidos teriam mais espaço na trama, mas ainda assim foi empolgante assistir ao desenrolar da trama. Para um filme tão longo (e com produção tão conturbada), o resultado final acaba sendo satisfatório.

O futuro de Batman (Affleck) soa um pouco incerto, mas a Liga parece ter um bom futuro
Tem problemas? Alguns, mas é compreensível. Era preciso dar tempo para humanizar um pouco os heróis e fazê-los mais reconhecíveis para os não-fãs, e a receita mais usada para criar empatia com o público geralmente é o humor. Nesse caso, preciso louvar o desempenho do filme: apesar do personagem Flash ficar com boa parte do seu desempenho comprometida com o alívio cômico, ainda assim não é exagerado (e eu acredito que eles vão explorar mais o drama no filme solo dele); há bastante equilíbrio entre ação e humor. Mas a participação do reino de Atlântida ficou muito subdesenvolvida – era até desnecessária a participação de Mera (Amber Heard) – e apressada, sem realmente intrigar ao público. Cyborg talvez tenha sido o mais beneficiado dentre os “novatos” e dá para entender porquê.

Aquaman (Momoa): apesar de alguns bons momentos, mal disse a que veio
Houve bastante comoção entre fãs com algumas surpresas e cenas do longa, em especial à segunda cena pós-créditos (#ficaadica), e agora há uma grande expectativa para a sequência da Liga: menções ao maior vilão  da DC, Darkseid, e à Liga dos Lanternas Verdes fizeram a sala se tornar um estádio de futebol. Então, mesmo com muito o que se lapidar ainda, Liga de Justiça vale o ingresso, a pipoca e a espera.

0 comentários: