3 blogueiras + 1 desafio = aprimorar a cinefilia.
DVD, sofá e pipoca,
formando cinéfilas melhores!

terça-feira, 30 de junho de 2015

Prêmios de "Apertem os Cintos... o Piloto Sumiu"

Quem foi que disso que comédia não ganha espaço em premiações? Não tem um Oscar, mas a lista de nomeações desta aventura cômica aérea é de respeito.

Writers Guild of America
  • Best Comedy Adapted from Another Medium

Globo de Ouro
Nomeado Best Motion Picture - Musical/Comedy

BAFTA
Nomeado Best Screenplay

National Film Preservation Board
  • Won -National Film Registry

Satellite Awards (2005)
Nomeado Outstanding DVD Extras - ("Don't Call Me Shirley" Edition), Outstanding Classic DVD - ("Don't Call Me Shirley" Edition).

Young Artist Awards
Nomeado Best Young Comedienne - Jill Whelan, Best Young Comedian - Rossie Harris

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Apertem os Cintos... o Piloto Sumiu!

Chega de drama! Hora de rir com um dos clássicos da comédia.
Airplane!
1980 - EUA
87 min - cor
Comédia

Direção:Jim Abrahams, Jerry Zucker, David Zucker

Roteiro: Jim Abrahams, David Zucker, Jerry Zucker, Hall Bartlett, John C. Champion

Música: Elmer Bernstein

Elenco: Robert Hays, Julie Hagerty, Leslie Nielsen, Peter Graves, Lloyd Bridges, Robert Stack, Lorna Patterson, Stephen Stucker, Frank Ashmore, Jonathan Banks, Kareem Abdul-Jabbar, Craig Berenson, Barbara Billingsley, Lee Bryant, Nicholas Pryor, Joyce Bulifant, Marcy Goldman, Barbara Stuart, Ross Harris, James Hong, Norman Alexander Gibbs, Al White: Second Jive Dude, David Leisure, Jill Whelan, Ethel Merman, Lee Terri, Howard Jarvis, Otto (piloto automático inflável)

Uma paródia do filme Zero Hour! (1957). Ganhou uma sequencia em 1982.

domingo, 28 de junho de 2015

Eu queria mais contexto...

Reconstrução de época: oK! Atuação: (muito) ok! Roteiro: .... é.... dava para melhorar hein. Podem me criticar "haters da internet", mas eu esperava mais de Meu Pé Esquerdo.

O longa que deu o primeiro Oscar a Daniel Day-Lewis e conta a história do escritos e pintor irlandês Christy Brown. Nascido em 1932, o artista tinha paralisia cerebral e conseguia mover apenas o pé esquerdo. Eram os anos 30, sua família era pobre e grande, demorou algum tempo para alguém perceber a consciência e inteligência de Cristy.

Quando isso finalmente acontece, ele cresce "evoluindo" por conta própria sempre com uma relação forte com a mãe. Até que já um jovem adulto, suas obras chamam atenção, e ele finalmente consegue ajuda profissional para sua condição. E consequentemente melhorar de vida, em qualidade e financeiramente.

Embora seja verdade, é lugar comum dizer, que as atuações de Day-Lewis e Brenda Fricker são excepcionais. Enquanto o "ator pirado do método" mergulha de vez nas características de Brown Fricker fornece o suporte para que essa intensidade funcione e dialogue com o público.


Estão nos roteiros as maiores falhas de Meu Pé Esquerdo. A começar por pressupor que o expectador já conhece a figura do protagonista. A compreensão de em que período histórico se passa a história fica a cargo da bagagem do expectador. Uma vez, que além de usar dos tempos narrativos diferentes, datas são raras, e nem mesmo o contexto histórico ajuda. Brown nasceu em 1932, tinha uma guerra à caminho, e nada é mencionado sobre este período, e as dificuldades de todos naquela época. Sem contar que ele tem vários irmãos, nenhum deles precisou servir?

Alais, quantos irmãos ele tem? Sabemos que são muitos, volta e meia aparece mais um bebê. Mas estes vão e vem, as meninas então, simplesmente desaparecem! De acordo com o Google, ele tinha nada menos que 21 irmãos. 21! Porque não usar isso, para agravar ainda a complexidade de sua vida?

Episódico, algumas situações deixam a sensação de que faltou um encerramento, como o caso da escada. Outras, parecem acontecer rápido demais, sério que ele só precisou de um concerto musical para conquistar sua futura esposa. Isso enquanto ela lia sua auto-biografia, e acompanhava os comentários do próprio retratado? 

Meu Pé Esquerdo traz ótimas atuações, mas tem um roteiro episódico, e com espaços em brancos. Eu esperava mais. Mais contexto, mais história, e arcos desenvolvidos de forma mais uniforme.

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Daniel Day-Lewis e Brenda Fricker recebendo seus Oscar por "Meu Pé Esquerdo"

O Oscar de 1990 foi apresentado por Billy Cristal.

Fricker competiu com Anjelica Huston (Inimigos - Uma História de Amor), Lena Olin (Inimigos - Uma História de Amor), Julia Roberts (Flores de Aço), e Diane Wiest (O Tiro Que Não Saiu Pela Culatra). A estatueta foi entregue por Kevin Kline, que recebeu o prêmio no ano anterior por Um peixe chamado Wanda.



Day-Lewis competiu com Kenneth Branagh (Henrique V), Robin Williams (Sociedade do Poetas Mortos), Morgan Freeman (Conduzindo Miss Daisy) e Tom Cruise (Nascido em 4 de Julho). O prêmio foi entregue por Jodie Foster, que ganhara o Oscar no ano anterior por Acusados.

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Minions

E então o dia chegou. Depois de coadjuvantes em dois bem resolvidos filmes lidando com as maldades fofas de Gru, os minions finalmente ganharam seu próprio longa. Passando brevemente por "de onde vieram" e "o que são" essas adoráveis criaturas, Minions (The Minions, 2015) mostra a busca dos amarelinhos por um vilão para chamar de seu. E assim eles evoluem junto com as espécies, até depararem-se com o homo sapiens - e, de lá pra cá, acabaram seguindo vários deles, até serem obrigados a se esconder em uma caverna de gelo, longe de qualquer contato humano. Já tristes e desanimados, então Kevin tem uma brilhante ideia: se arriscaria a encontrar um chefe mau a quem pudessem servir.
Partindo da caverna junto com ele, foram Stuart e Bob. Levou um bocado de tempo, mas enfim eles chegaram aos Estados Unidos, em 1968. Lá eles se depararam com um estranho comunicado na tv: uma feira internacional de Vilões estava para acontecer em Orlando, então os minions acharam que seria a ocasião perfeita para encontrar o seu vilão malvado a quem serviriam felizes para o resto da vida. A estrela da feira era ninguém menos que Scarlet Overkill (Sandra Bullock/Adriana Esteves), a maior vilã de todas. Dentro da feira, Scarlet lança um concurso para obter novos capangas. Adivinhe quem acaba conquistando a honra? Bob faz com que os minions vençam a competição, e então Scarlet os leva para sua casa em Londres para explicar qual seria o primeiro trabalho que eles fariam para ela. A vilã planeja, nada mais, nada menos, que roubar a coroa da rainha Elizabeth. Com a ajuda dos apetrechos criados por Herb Overkill (Jon Hamm/Vladimir Brichta), os três vão empreender uma louca investida na Torre de Londres para conseguir a coroa para sua nova chefe. Mas as coisas não saem exatamente tão bem como o planejado...

Abusando do carisma dos personagens, Minions peca por não ter um enredo mais consistente. Há todo um cuidado em amarrar as pontas, mas o roteiro deixa a desejar quando comparado às outras animações - inclusive às anteriores da franquia. Algumas das cenas são realmente hilárias e há easter eggs para nerd nenhum botar defeito (com a VilainCon lembrando muito a ComicCon, não duvido que as brincadeiras não estivessem ali para o deleite da turma), mas falta algo que segure a atenção entre as esquetes de humor pastelão dos minions. Talvez os pequenos se agradem dos tombos e da fala engraçada das criaturas (que, aliás, nunca soaram tão parecidas com francês quanto nesse filme). Mas para quem já é adulto, o filme fica cansativo e perde o fôlego na reta final. A dublagem de Adriana Esteves e Wladmir Brichta também não foi tão inspirada quanto a de Leandro Hassum no primeiro longa, o que é uma pena. O filme deve fazer algum sucesso pela expectativa dos fãs dos fofos e atrapalhados assistentes de vilão, mas é uma diversão leve e só. Como todo bom vilão, tenha em mãos um plano B para depois do cinema.

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Curiosidades de "Meu Pé Esquerdo"

O filme conta a história real do artista irlandês Christy Brown. Nascido em 1932, ele faleceu em 1981 aos 49 anos.

Daniel Day-Lewis insistiu em permanecer em sua cadeira de rodas entre as tomadas. Resultado: quebrou duas costelas durante as filmagens por assumir a posição de corcunda em sua cadeira de rodas durante semanas de filmagens. Ele também se recusava a sair da personagem. Em visitas à cantina do set, outras pessoas tinham que ajudá-lo com comida. Durante uma visita de seu agente Inglês, Day-Lewis novamente se recusou a sair de personagem, e seu agente foi embora frustado.

Muitas das cenas foram filmadas através de um espelho, já que Daniel Day-Lewis só poderia manipular o pé direito para executar as ações vistos no filme.

É o único filme a para conseguir uma classificação A + da Entertainment Weekly.

Miramax passou mais de três vezes o orçamento de produção de filmes na sua campanha de publicidade para obter o filme notado e considerado pelo Oscar.

Último trabalho de Ray McAnally, que faleceu antes do lançamento do filme. Ele acabou premiado postumamente no Bafta.

terça-feira, 23 de junho de 2015

Prêmios de "Meu Pé Esquerdo"

Tem corpo inteiro que não conseguiu ganhar tantos prêmios quanto este único pé! (Piada ruim, eu sei!) Segundo o IMDB são 25 prêmios e outras 15 indicações.

Oscar
  • Best Actor in a Leading Role - Daniel Day-Lewis
  • Best Actress in a Supporting Role - Brenda Fricker
Indicado Best Picture, Best Director, Best Writing, Screenplay Based on Material from Another Medium

Globo de Ouro
Indicado Best Performance by an Actor in a Motion Picture - Drama - Daniel Day-Lewis, Best Performance by an Actress in a Supporting Role in a Motion Picture - Brenda Fricker

BAFTA
  • Best Actor - Daniel Day-Lewis
  • Best Actor in a Supporting Role - Ray McAnally
Indicado Best Screenplay - Adapted, Best Film, Best Make Up Artist

Angers European First Film Festival
  • Feature Film

Boston Society of Film Critics Awards
  • Best Actor - Daniel Day-Lewis
  • Best Supporting Actress - Brenda Fricker

Chicago Film Critics Association Awards
Nomeado Best Actor - Daniel Day-Lewis, Most Promising Actor - Hugh O'Conor

David di Donatello Awards
  • Migliore Produttore Straniero

European Film Awards
Nomeado Best Young Film, Best Actor - Daniel Day-Lewis, Best Director

Evening Standard British Film Awards
  • Best Actor - Daniel Day-Lewis

Guild of German Art House Cinemas
  • Ausländischer Film (Filme Estrangeiro)

Independent Spirit Awards
  • Best Foreign Film

London Critics Circle Film Awards
  • Actor of the Year - Daniel Day-Lewis

Los Angeles Film Critics Association Awards
  • Best Actor - Daniel Day-Lewis
  • Best Supporting Actress - Brenda Fricker

Montréal World Film Festival
  • Best Actor - Daniel Day-Lewis
  • Prize of the Ecumenical Jury - Special Mention Jim Sheridan (director), Daniel Day-Lewis (actor)
  • Special Mention of the Jury - Brenda Fricker (supporting actress)

National Board of Review
  • Top Ten Films

National Society of Film Critics Awards
  • Best Actor - Daniel Day-Lewis
3rd place - Best Supporting Actress - Brenda Fricker

New York Film Critics Circle Awards
  • Best Film
  • Best Actor - Daniel Day-Lewis
2nd place - Best Supporting Actress - Brenda Fricker
3rd place - Best New Director - Jim Sheridan

Writers Guild of America
Nomeado Best Screenplay Based on Material from Another Medium

Young Artist Awards
  • Best Young Actor Supporting Role in a Motion Picture - Hugh O'Conor
Nomeado Best Motion Picture - Drama

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Meu Pé Esquerdo

Quanto tempo faz que não assistimos uma biografia?

My Left Foot
1989 - Irlanda/Reino Unido
103 min - cor
Drama/Biografia

Direção:Jim Sheridan

Roteiro: Shane Connaughton, Jim Sheridan

Música: Elmer Bernstein

Elenco: Daniel Day-Lewis, Brenda Fricker, Ray McAnally, Alison Whelan, Kirsten Sheridan, Ruth McCabe, Fiona Shaw, Cyril Cusack,

Baseado na autobiografia do do escritor e artista plástico Christy Brown.


sábado, 20 de junho de 2015

Contagens de "Scarface"

Scarface é um dos filmes que mais utiliza a palavra "fuck" e derivados, nada menos que 206 vezes, um recorde para a época. Até hoje, penas dois filmes ultrapassaram este recorde: Os Bons Companheiros, com 246 vezes, e Pulp Fiction - Tempo de Violência, com 257 vezes.

A contagem do vídeo é diferente pois busca apenas a versão original da palavra mesmo assim, é muita boca suja para um filme só.



Já que estamos contando, que tal conferir também a contagem de corpos do longa?

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Fotos de Bastidores de "Scarface"

Confira os bastidores da produção. Clique nas imagens para ampliar.








quinta-feira, 18 de junho de 2015

Curiosidades de "Scarface"

Apesar do título, Tony Montana é chamado de "Scarface" apenas uma vez durante todo o filme.

A idéia original era fazer deste filme um remake de Scarface: A Vergonha de Uma Nação (1932), que teve lugar em Chicago, mas isso revelou-se impossível devido a restrições orçamentais.

Brian De Palma gostou do roteiro tanto que ele desistiu de dirigir Flashdance (1983) para dirigir este filme.

"Amiguinho" de Tony é um fuzil de assalto M16 com um lançador de granadas M203 40 milímetros ligado ao barril.

A atriz Mary Elizabeth Mastrantonio estreou nos cinemas em Scarface

Colon Miriam, que interpreta a mãe de Tony, é apenas quatro anos mais velha que Al Pacino.

Na cena em que Tony está na banheira assistindo TV, ele diz para Manny, "Look at dem pelicangs fly". Al Pacino praticou essa fala com um treinador de linguagem para obter o direito sotaque cubano.

Quando Scarface (1983) foi re-lançado nos cinemas em 2003, o estúdio queria que Brian De Palma mudasse a trilha sonora para que as canções de rap inspiradas pelo filme pudessem ser utilizada. De Palma se recusou.

Al Pacino teria afirmado que Tony Montana foi um des seus favoritos de todos os personagens que ele interpretou.

Para ajudar a ficar no personagem, Al Pacino pediu diretor de fotografia John A. Alonzo para falar com ele apenas em espanhol.

Embora Tony Montana fosse supostamente cubano, fazendo de sua primeira língua o espanhol, ele só fala uma linha do idioma durante todo o filme.

As armas de fogo cenográficas foram equipados com dispositivos eletrônicos de sincronização para que as eles só disparassem quando o obturador da câmera estava aberto. O resultado foi que os disparos são muito mais visíveis e consistente do que na maioria dos filmes.

A imagem do general Cocombre que o investigador cocaína mostra durante sua entrevista que Sosa mostra a Tony eo resto de seus convidados, é na verdade do coronel Luis Arce Gómez, que era um membro efectivo do infame "Coup de cocaína" que exisita  na Bolívia 1981-82.

Oliver Stone nomeou Tony Montana em homenagem à seu jogador de futebol americano favorito, Joe Montana.

No filme, Tony compra um Porsche para impressionar Elvira. No roteiro original, ele compra um modelo Jaguar XG6 vermelho.

Steven Spielberg operava uma das câmeras na cena final, porque ele estava no set o dia em que a cena foi filmada.

De acordo com o recurso "scorecard" no Platinum Edition DVD, a palavra "fuck" e seus derivados são usados 226 vezes para uma média de 1,32 "fucks" por minuto.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Divertida Mente

DivertidaMente (Inside out, 2015) é mais do que parece ser. E com certeza é um filme que vai falar muito aos pequenos, que ainda não conseguem decifrar direito as coisas que acontecem com eles enquanto estão crescendo. E também vai falar aos pais, para ficarem mais atentos aos filhos e às dificuldades deles em lidar com a vida - já que eles são bem mais sensíveis e menos hábeis em lidar com mudanças.

Riley é uma menina de 12 anos que vive muito feliz em Minnesotta: lá ela tem seus amigos da escola e do hóquei, tem seu quarto maravilhoso em uma casa maravilhosa, tem os fibais de semana mais legais com os melhores pais do mundo. Em sua cabeça, as cinco emoções que controlam tudo são apaixonados por essa garotinha. Alegria (Amy Pohler/Miá Melo) é quem comanda tudo na torre de controle e mantendo o funcionamento perfeito das ilhas de personalidade de Riley: bobeira, hóquei, amizade, honestidade e família. Cada ação do dia gera ou ativa uma memória que alimenta essas ilhas. Mas Alegria não está sozinha, ela tem a ajuda e companhia de Tristeza (Philis Smith/Katiúscia Canoro), Nojinho (Mindy Kailyn/Dani Calabresa), Raiva (Lewis Black/Leo Jaime) e Medo (Bill Hader/Otaviano Costa) para comandar as reações e ações da garota, de acordo com a situação. Tudo corria bem, até a família precisar se mudar.

Ir para outro estado, outra escola, os pais preocupados com o caminhão de mudança perdido e o trabalho requisitando o pai mais do que antes, as coisas começaram a se complicar. Alegria não sabia como reagir e ajudar Riley, então Tristeza tentou ajudar também - mas cada vez que tocava uma memória, ela se tornava triste e fazia com que a garota ficasse triste também. Enquanto as duas tentavam cuidar das memórias base, que mantinham as ilhas funcionando, elas acidentalmente caem no tubo que leva ao labirinto de memórias. As ilhas de personalidade ficam desestabilizadas e com Raiva, Nojinho e Medo no comando das ações de Riley, tudo caminha para o desastre. Sabendo que precisam voltar para lá o quanto antes, começa jornada de Alegria e Tristeza para voltar à sala de controle e consertar tudo.

O roteiro é tão bem amarradinho e as soluções visuais para as emoções e as conexões cerebrais são tão divertidas e geniais que o filme prende a atenção dos espectadores, de qualquer idade, do início ao fim. O tema não é fácil, falar sobre emoções é difícil em qualquer esfera. Por isso o longa cumpre brilhantemente seu papel em mostrar tanto aos pais quanto às crianças as dificuldades que um e outro tem em expressá-las e lidar com elas. De forma divertida e emocionante somos encorajados a olhar com mais atenção para nossos próprios sentimentos, a compreender melhor como reagimos às situações.

O elenco de comediantes da versão original conta com nomes de peso do cenário americano, e aqui também foram escalados comediantes para a dublagem do longa. Em um roteiro tão cheio de nuances em cada linha, faltou um pouco de experiência ao elenco brasileiro. Nada que atrapalhe o  andamento do filme ou a experiência em si, mas fica a sensação de que podia ser melhor em algumas partes (pra combinar com o que a gente vê acontecer na tela). Pode ser preciosismo meu, e provavelmente é.

Não deixe de assistir essa pérola que a Disney trouxe para as telonas em 2015. Sair do cinema rindo das piadas geniais do filme e com o coração leve pela certeza de que, no fim, tudo dá certo, com certeza valem o ingresso e a pipoca.

terça-feira, 16 de junho de 2015

Prêmios de "Scarface"

Segundo o IMDB, Scarface recebeu apenas indicações, apesar de sua popularidade entre público e crítica.

Globo de Ouro
Indicado Best Performance by an Actor in a Motion Picture - Drama - Al Pacino, Best Performance by an Actor in a Supporting Role in a Motion Picture - Steven Bauer, Best Original Score - Motion Picture

Motion Picture Sound Editors
Indicado Best Sound Editing - Sound Effects - Maurice Schell

Framboesa de Ouro
Worst Director - Brian De Palma

Satellite Awards
Nomeado Best Classic DVD Release

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Scarface

"Say hello to my little friend"

Scarface
1983 - EUA
170 min - cor
Drama/Policial

Direção:Brian De Palma

Roteiro: Oliver Stone

Música: Giorgio Moroder

Elenco: Al Pacino, Steven Bauer, Michelle Pfeiffer, Mary Elizabeth Mastrantonio, Robert Loggia, Míriam Colón, F. Murray Abraham, Harris Yulin, Paul Shenar

domingo, 14 de junho de 2015

Galeria de Pôsteres de "Os Goonies"

Pôsteres "de época" relançamentos, artes de fãs. Tem de tudo sobre o aniversariante da vez!!! 
(Clique nas imagens para ampliar)






sábado, 13 de junho de 2015

Por ande andam os Goonies?

Rumores de uma nova aventura rondam Hollywood há anos, mas enquanto o projeto não sai do papel é bom dar uma olhada por ondem andam os ilustres moradores das docas Goon.

Sean Astin – Mikey
Continua atuando. Seu papel de maior destaque desde então foi o do hobbit Samwise Gamgee, na trilogia O Senhor dos Anéis. Ano passado esteve no Brasil participando de entrevistas e convenções.

Josh Brolin – Brand
Também continua atuando. Participou de sucessos como Onde os Fracos não Têm Vez (2007) e Milk: A Voz da Igualdade (2008). Mas você vai lembrar mesmo dele é pela incrível versão jovem do Agente K em MIB³: Homens de Preto 3 (2012).

Corey Feldman – Bocão
Figurinha carimbada na sessão da tarde, o auge de sua carreira foi na década de 1980 com produções como Gremlins (1984), Conta Comigo (1986) e Os Garotos Perdidos (1987).

Jeff Cohen – Gordo
Deixou de atuar em 1991. Atualmente trabalha como advogado.

Jonathan Ke Quan – Dada
Já era um rosto conhecido quando trabalhou em os Goonies pois ele também viveu o ajudante mirim Short Round, em Indiana Jones e o Templo da Perdição (1984). Deixou de atuar no início dos anos 1990 atualmente trabalha na produção atrás das câmeras.

Kerri Green – Andy
Continuou atuando principalmente em séries de TV como Plantão Médico e Law & Order: SVU. Seu trabalho mais recente é o filme Complacent de 2012

Martha Plimpton - Stef
Continua atuando, especialmente em séries de TV. Um de seus trabalhos de destaque mais recentes foi o de Patti Nyholm em The Good Wife.

John Matuszak - Sloth
Esse era o cara por trás da máscara de Sloth. Em 1978 o ator participou da competição do homem mais forte do mundo. No cinema apareceu pela primeira vez em 1979. Morreu em junho 1989 devido a uma insuficiência cardíaca.

Mary Ellen Trainor
Atriz que viveu a mãe de Mikey e Brand, e participou de sucessos como Máquina Mortífera, morreu em 20 de Maio deste ano, aos 62 anos. Seu último trabalho foi um telefilme em 2008.

Confira como está o resto do elenco neste vídeo, acidentalmente encontrado na rede mundial de computadores.

Os atores se reuniram para a comemoração de 25 anos do filme, em 2010. Não encontramos informações sobre um novo encontro para a celebração de 30 anos, oficialmente celebrada na cidade de Astória, onde a produção se passa, no último dia 07/06.


sexta-feira, 12 de junho de 2015

Imagens dos bastidores de "Os Goonies"

Porque não é de hoje que a molecada gosta de registar seus melhores momentos. Uma pena que na época filme era caro, e não podiam fazer tantos cliques.

(Clique nas imagens para ampliar)



E não é que o Michael Jackson realmente passou na casa dele para usar o banheiro!
Cyndi Lauper, a versão da madona para os pequenos da época! Diva!!!















Fazendo Sloth

Goonies never say die!